quinta-feira, 19 de maio de 2005

estúpidos

Como pode um homem ser tão burro? Os homens são tão atrasados, tão complicados que não conseguem aprender, em 2005 anos, como devem tratar uma mulher. Ainda não aprenderam que bombons e flores não compram o perdão de ninguém, mas pelo menos nos deixam contentes e até inspiradas a perdoá-los.
Não aprenderam que sexo não é mecânico, é algo que acontece e é preciso estimulá-lo, não exigí-lo. Infelizmente não aprenderam que o sexo é complemento, faz parte mas não é tudo em um relacionamento. Não aprenderam também, a simplesmente pedir desculpas. Não aprenderam que não ligar depois de um encontro ou até mesmo depois de uma briga, pode nos levar a uma crise de nervos.
Como podem não lembrar do seu aniversário ou do aniversário de namoro? Não lembrar do primeiro encontro? Como podem achar que têm sempre razão? Como podem gritar conosco como se fôssemos parte de seu time de futebol? Homem é um bicho bem grosso mesmo. Grosso e burro.
Mulheres não são complicadas, muito pelo contrário. Damos sinais a todo momento de como queremos e gostamos de ser tratadas. Mas eles nunca prestam atenção. Homens... precisam prestar só um pouquinho de atenção. Se fizessem isso, nos teriam ainda mais por completas. Já que damos tudo por um simples sorriso ou por uma palavra mais carinhosas. Somos muito bobas, acreditamos demais, confiamos demais, não exigimos nada de mais.
Eles é que realmente não entendem. Ó Deus, todo homem deveria ter um manual de instrução sobre mulheres.

sexta-feira, 13 de maio de 2005

nostalgia

Caverna do Dragão, Muppets Baby, Punky, Chaves e Chapolim, Fofão, nave da Xuxa, Topo Gigio, Thundercats, Ursinhos Carinhosos, Ursinhos Gummy, Tico e Teco, guerrinha de mamona na rua, o cheiro do frango da minha vó, sorvete de chocolate no fim da tarde, o barulho da máquina de costura, o pôr do sol naquele quarto, as brincadeiras com todas aquelas bonecas, a casinha de papelão, o fusquinha da minha mãe, todos os meus cachorros e gatos que já se foram, o passarinho do meu vô, aquele banho de mangueira nas manhãs ensolaradas de sábado, as chamas das velas enquanto a tempestade cai lá fora, o friozinho na barriga que o primeiro amor provoca, filmes da sessão da tarde interrompidos por uma boa dormidinha, Barbies, piscina de plástico, caixas de chocolate escondidas no guarda-roupa, esconde-esconde, pega-pega, barra manteiga, lições de casa, ballet, tias de escola, festinhas de aniversário, poder dizer que tá com dor de barriga e não ir à escola de manhã, nhoque de domingo, tubaína, doce de banana, andar de bicicleta pelo bairro, Castelo Rá-Tim-Bum, Anos Incríveis, glub glub, Sílvio Santos, Mara Maravilha, brincadeiras na perua da escola, pizza da cantina, festa de carnaval à fantasia, tênis com lampadinha, bogobol, peru de natal, brincadeiras com minha mãe, minha madrinha me fazendo chorar de tanto rir, chocolate, o deslumbramento com cada novidade da vida, Splash do Playcenter, fazer coisa errada e escondido, brigadeiro quente, raspa de bolo na tigela da batedeira, festa de fim de ano na escola, cola nas provas de matemática, rir das coisas bobas da vida.


Se a gente leva alguma coisa dessa vida, são essas as que quero levar.

terça-feira, 10 de maio de 2005

alice in the wonderland

Sabe, eu andei pensando e descobri que conheço a Alice. Ela é uma pessoa muito especial. Acabei de conhecê-la, na verdade, mas ela é uma daquelas pessoas que certamente você já conhecia de algum outro lugar, de outros tempos. Alice é uma menina mulher que ainda não descobriu seu lado femme fatale. Esse instinto está guardado bem lá no fundo, em algum lugar. Alice é uma das poucas pessoas que você consegue enxergar a alma através de seus olhos. Às vezes Alice me irrita por causa de uma certa insegurança que ela teima em alimentar. Na verdade, ela deveria deixar essa insegurança morrer de fome de uma vez por todas. Alice é minha amiga e eu sei que é uma daquelas poucas que posso chamar de verdadeira. Só que ela ainda está a espera de um coelho branco.

segunda-feira, 9 de maio de 2005

de mal com deus

Às vezes eu queria ter meus olhos cegados pela fé, queria ter aquela convicção de que as coisas acontecem de acordo com a vontade de Deus. Mas não consigo. É difícil olhar para o mundo ou para as coisas que ocorrem na vida e acreditar que toda essa desgraça, que toda essa falta de humanidade acontece graças a Deus. Desde criança eu tenho mania de brigar com Deus. Fico de mal mesmo, faço cara feia e o questiono centenas de vezes sobre o por que das coisas. Nem sempre Ele me responde. Algumas vezes até responde só que eu acabo percebendo tarde demais. Eu não gosto de ficar de mal com Deus, mas ele me irrita algumas vezes.

hoje é o dia

Hoje é o dia de pegar trânsito, de vir em pé no busão cerca de 2 horas. É o dia mais cansativo da semana (pelo menos pra mim). É o dia que minha simples tosse tornou-se uma puta gripe. É o dia de trabalhar pra caramba (ainda bem). Enfim, quem não ama as segundas-feiras?