sexta-feira, 30 de novembro de 2007

as mentirinhas que nos contam













Algumas inverdades que nossos pais contam e que até hoje eu não consigo entender o que nos leva a acreditar. Ou melhor, o que leva os pais a serem tão maus mentirosos assim.

5. o homem do saco – já imaginou como é que um cara poderia enfiar várias crianças num mesmo saco e andar pela cidade? Imagina só. A primeira criança já seria bem difícil, visto que a mesma se mexeria muito e gritaria muito, o que possivelmente faria com que alguém parasse o tal homem do saco, não?
 4. o coelhinho da páscoa – essa é boa. Todo mundo já se perguntou por que o coelho carregaria ovos (ainda mais de chocolate) e entregaria nas casas no dia da páscoa. Primeiro: de onde viriam tantos coelhos e pra onde iriam depois? Segundo: por que o coelho não comeria o ovo? Terceiro: Por que raios coelhos, se nem ovo ele sabe botar?
3. antes de casar, sara – quem nunca ouviu essa? Imagina só, você lá com seus 5 aninhos e com o dedo jorrando sangue devido a um corte que você fez. Aí vem um retardado e diz: não esquenta que antes de casar, sara. Aí você pensa: será que eu vou sangrar, no mínimo, por mais uns 25 anos? E se eu nunca me casar? Significa que vou sangrar até a morte?
2. as crianças nascem de uma sementinha que o papai “planta” na barriga da mamãe – essa é ótima. Imagina só que confusão na cabecinha das crianças. O papai abre a mamãe com um serrote, joga terra dentro da barriga dela, planta a tal da sementinha e depois costura a barriga da mamãe. Olha só que coisa mais lindinha... o duro é como ele faz pra regar depois...
1. o papai-noel – em homenagem ao natal que está chegando. Essa é a pior mentira que alguém pode inventar. Primeiro: como é que esse cara que deve ter uns 598 anos e que mora lá do outro lado do mundo, que provavelmente não fala sua língua, vai ficar sabendo se você foi ou não um bom menino durante o ano? E ele tem que ser muito rico, imagina comprar presente pras crianças do mundo inteiro. E engraçado também é ele adivinhar exatamente o que você quer ganhar. Pior que isso é dizer que o cara vem voando num trenó puxado por henas (esses bichos voam como sem asas?). Depois inventam que ele desce pela chaminé. Quantas casas no Brasil têm chaminé? E outra, gordo e velho daquele jeito, como é que o cara vai descer pela chaminé? E quem não tem, fica sem? Ou ele aperta a campainha e entra pela porta mesmo? Ah, é. Lembrei, ele entra pela porta mesmo. Cansei de abrir a porta pra ele no natal lá em casa...

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

e pra aqueles que acham que é pouco, eu vivo por ti Corinthians


Ontem, fui ao Pacaembu empurrar meu time do coração. O estádio estava completamente lotado e as torcidas organizadas fizeram seu precioso papel de maneira exemplar. As arquibancadas estavam alvinegras e animadas. Minha paixão pelo Corinthians é coisa antiga e não é fácil acompanhar esse time não. É certo que já tive muitas alegrias e cada vitória teve um sabor diferente. Já pude ver de perto meu time bater o Palestra e já vi de longe bater o São Paulo. Infelizmente, o ano de 2007 foi bastante turbulento pro meu time. A má administração, corrupta e irresponsável, refletiu no elenco, prejudicando ainda mais o trabalho dos técnicos que por lá passaram. Tivemos perdas importantes, desfalques, desistências, baixas. Promessas de novos ídolos que já foram todos esquecidos.
Hoje, um dos maiores times do Brasil, luta contra o rebaixamento. Isso me parte o coração. Ontem, eu estava lá. Com o coração apertadinho, rezando, gritando, pulando. Pedindo aos céus pra que meu time, ao menos, empatasse. Esse é o Corinthians. E por mais que estejamos bem, sofrer faz parte. Estádio lindo, em coro, todos empurrando o time. Mas fica difícil, pois não temos muito bons jogadores. Ontem, os poucos jogadores medianos deram o que podiam de si. Confesso, o jogo não foi bonito, mas o resultado foi injusto. Tivemos boas oportunidades de gol desperdiçadas, lances bobos, faltas equivocadas, falhas na zaga e quase nenhuma finalização perfeita. Mas o time atacou e atacou com garra, com raça, com sede de gol. Sem qualidade, é verdade, mas tentou.
Também, não culpo os meninos. A responsabilidade de um jogo como o de ontem pesa demais. Estava dando tudo certo. Até o outro time que tinha que perder, perdeu. E então, o inesperado e famigerado gol do time adversário aconteceu. E pior, vindo dos pés do nosso próprio jogador.
O gol não calou o estádio. Não. A fiel torcida não se cala fácil. Empurramos, choramos e queríamos que com nossa voz, a bola entrasse e balançasse aquela rede. Bola na trave, bola por cima, bola pela linha de fundo. E nada. Os minutos corriam, o coração arrebentava. Desilusão, medo, dor no estômago. A fiel cantava e agitava a bandeira. E nada. Nada, nada, nada. Trocam-se os jogadores, nada. Muda-se a tática, nada. Alguns minutos de acréscimo e nada. Fui pra casa engolindo a seco o 1 x 0 que levamos.
O coração ainda palpita forte. Temos apenas mais um jogo pra decidir o futuro do Timão no Brasileiro do ano que vem. Eu espero e rezo e torço. Domingo tem mais agonia. E vai ser assim. Cada gol tomado, um time que cai ou não. Mas tudo bem. Assim vamos e como cantamos em coro ontem “eu nunca vou te abandonar, porque eu te amo”.   


Pacaembu ontem (coisa linda)


segunda-feira, 26 de novembro de 2007

o mundo vai acabar e ela só quer dançar


Faltam 4 dias pra acabar o mês e a semana, 35 dias pra acabar o ano, 22 meses pro meu casamento e 14 meses pro meu apartamento. É natal de novo e ano novo, festas de fim de ano, comilanças e férias coletivas. Essa é a minha 4ª semana na agência nova e meu 14º mês de namoro. É o mês que eu recebo a 1ª parcela do 13º e já tenho que pagar a 1ª anual do meu apêzinho. Só pra atualizar as fofocas: festa da 89! tudibão e Wagner Moura esteve aqui na agência (tudibão também!) Aliás, pessoalmente é muito melhor.
Tô na correria maior do mundo, cheia de trabalho e prazos a cumprir. De qualquer forma, só queria parar um pouquinho pra respirar. Que ritmo frenético é esse que as coisas vêm acontecendo?

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

the wonder years








Na minha passagem de criança pra adolescente, tive uma série que foi uma espécie de companheira, como se fosse uma amiga imaginária ou uma irmã mais velha que eu podia acompanhar tudo de perto. Chorar com as dores, sentir o medo do primeiro dia de aula no ginásio, o primeiro amor, as decepções, os problemas da vida, enfim. Eu via, como telespectadora, mas me sentia parte de tudo aquilo. Eu estou falando de Anos Incríveis, uma das melhores séries que eu já vi na vida. Infelizmente, essa série não é mais transmitida e ouvi dizer que os produtores não conseguem lançar em DVD por problemas com os direitos autorais da trilha sonora (que por sinal é maravilhosa). É uma pena, pois eu certamente compraria a série completa.
Durante o feriado, eu consegui assistir alguns episódios no you tube. Foi como viajar no tempo e sentir todas aquelas emoções do Kevin Arnold de novo. Não tem todos os episódios lá, mas tem vários, muito bons por sinal. Inclusive o primeiro de todos, de onde surgiu o primeiro beijo de Kevin e Winnie.
Ontem, eu assisti o episódio em que Karen, a irmã de Kevin, estava prestes a ir pra faculdade e fazer 18 anos, e discutia direto com o pai, porque não sabia muito bem o que queria fazer, nem pra onde queria ir. Só pra lembrar, a série se passa no fim da década de 60 e Karen era hippie e um pouquinho rebelde. Numa das discussões, o pai disse que ficou acordado a noite toda esperando ela voltar e que iria gastar um dinheirão pra pagar a conta da luz que ficou acesa pra quando ela voltasse pra casa. Karen, disse que não era pra ele esperar e nem deixar nenhuma luz acesa, pois ela podia se virar muito bem sem isso.
A principal lição do episódio se resume na seguinte fala de Kevin: “Na noite em que minha irmã fez 18 anos, muita coisa aconteceu, talvez mais do que ela pensasse. Que naquela noite, quando papai deixou que Karen saísse, ele deixou também que ela fosse embora. Talvez tenha que ser assim. Os filhos partem, os pais ficam. No entanto, há coisas mais profundas do que o tempo e a distância, seu pai sempre será seu pai. E sempre deixará uma luz acesa pra você”.

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

a luxúria é mesmo um pecado?


Feriado prolongado sem emenda da sexta, mas com a emenda da segunda. Quer coisa melhor que começar a semana na quarta? Da programação para o feriado, nada rolou. Aliás, me descubro como uma péssima pessoa pra fazer programações. Não é à toa que escolhi uma data errada pra me casar. Aliás, mantemos o dia 12, porém 3 meses mais tarde, 12.09.09. Não é uma data cabalística ou com grandes significados. Apenas escolhemos o mês da primavera e do nosso início de namoro. Agora é certeza que cai num sábado e que não vai estragar o feriado de ninguém. Assim também vamos ter 3 meses a mais pra juntar mais grana ou arrumar melhor o ap.
No mais, comi muito bem nesse feriado, com direito a pizza hut e um japonês mais que caprichado. Possivelmente ganhei uns quilinhos. Aliás, Projeto Verão só se for pra 2009, porque pra 2008 não dá mais não...
Cometi uma extravagância... apesar de amore insistir dizendo que eu não precisava de nada daquilo, não resisti e gastei horrores comigo... mas não resisti mesmo... eram 2 vestidos m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o-s que pareciam ter sido feitos pra mim... não pude resistir né?
Eu sei, eu sei. Vamos casar e a economia é indispensável, mas eu realmente não consegui resistir. Mas eu mereço vai... pelo novo emprego, que seja. Deus me ajude a pagar meu cartão de crédito mês que vem.
Amém!  

blog retrô

Peguei os meses de novembro de 05 e 06 do meu histórico do blog pra reler e relembrar como é que minha vida andava nessas épocas. Em 2005, eu vivia altos e baixos com meu ex e fora esses contratempos que me deixava muito infeliz, também estava com problemas em casa. Com a vinda do meu tio (que eu não suportava) pra cá e também com a doença do meu avó, estava desanimada com a faculdade e um pouco desmotivada com meu emprego daquela época. Já em 2006, eu era só felicidade. Sem problemas mais em casa, com emprego novo e sendo efetivada, namoro recente e muito feliz (obrigada), apresentando meu tcc na faculdade. Esse ano, as coisas continuam no ritmo do ano passado. Continuo muito feliz no meu namoro (que às vezes parece que começou ontem), feliz no trampo novo, na casa nova, com mil planos pela frente. É muito bom olhar pra trás e ter a sensação de que a tempestade passou e hoje é tudo azul e cor de rosa. Ano que vem acho que vou fazer a mesma coisa, com certeza vou rir do post de hoje. Mas acho que vou estar contando os dias pra entrega do meu ap. De qualquer forma, poder viajar no tempo e ver tudo isso, me deu uma sensação muito gostosa. Se bem que reparei que o tempo voou de lá pra cá e tudo parece ter acontecido semana passada. Enfim, o saldo do balanço foi positivo. E agora é só esperar pelo novo ano que já está dobrando a esquina e trazendo na bagagem mais outros mil sonhos.
Deixa eu me preparar pra correr atrás deles.

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

ai ai ai, a minha alma foi passear quando eu fechei os olhos, ouvindo o som de bob tocar










E foi assim que ele embalou meu sono na noite de ontem. Com uma deliciosa massagem, ouvindo-o sussurrar o velho bob, entre um sorriso e outro, me pedindo pra fechar os olhos e deixar rolar. Aqueles olhinhos verdinhos me fitavam e entre um toque e outro, um beijo na testa, na mão e outro na boca. Vez em quando, eu espiava meu massagista particular e o descobria atento ao meu corpo, feito um profissional, sério. Quando percebia que estava sendo vigiado, deixava escapar um riso leve e sem graça. A massagem durou tempo suficiente pra me fazer chegar ao céu. E literalmente, ele massageou meu ego, dos dedos do pé até minhas orelhas.
Namorado como o meu, não existe.  

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

te amar até quando deus quiser













Na bruma leve das paixões que vem de dentro, tu vens chegando pra brincar no meu quintal. No teu cavalo, peito nu, cabelo ao vento. E o sol quarando nossas roupas no varal. Tu vens, tu vens, eu já escuto os teus sinais. Tu vens, tu vens. Eu já escuto os teus sinais.
A voz do anjo sussurrou no meu ouvido. Eu não duvido, já escuto os teus sinais. Que tu virias numa manhã de domingo. Eu te anuncio nos sinos das catedrais. Tu vens, tu vens, eu já escuto os teus sinais. Tu vens, tu vens. Eu já escuto os teus sinais.

Anunciação – Alceu Valença

contagem regressiva pra quando?





















Comecei a ver as coisas pro casamento novamente. Tinha parado um pouco por falta de ânimo (entendam $$$). Mas, como já estamos fazendo as economias pra poder realizar nosso sonho, comecei a mexer meus pauzinhos de novo. Chequei os lugares que eu tinha escolhido e separei alguns orçamentos de buffet, refiz a lista de casamento e escolhi alguns tipos de lembrancinhas. Aí eu fui confirmar a data que eu já tinha escolhido a dedo, dia dos namorados, e pasmem!!!!!!! Cai numa sexta-feira. Pior, cai no meio da emenda do feriado de Corpus Christi. Fiquei tristinha, tristinha. Mas na verdade ainda não sei o que fazer. Se mantenho a data, corro o risco de estragar o feriado de muita gente e ter uma festa vazia. Mesmo passando a festa pra sábado, não melhoraria a situação. Porém, casamentos em feriado ou às sextas têm desconto e é consideravelmente mais barato. Se adio pro dia 20, tenho a festa cheia, não estrago o feriado de ninguém, porém pago mais caro e não vai sair na data que eu tinha escolhido.
Eu ainda não sei o que fazer. Isso é um assunto a resolver com amore. Pra ele, acho que tanto faz. Poderia ser ontem, amanhã, o quanto antes. Eu queria algo especial, pra ninguém esquecer.
E se considero dia 12.06, faltam 75 sextas-feiras, se adio pra 20.06, restam 77. Se começo a contar a partir de junho do ano que vem apenas, faltarão 54 e 56, respectivamente.
O que eu faço??

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

vai começar a brincadeira



Ah, as festas voltaram. Em menos de uma semana aqui, já posso dizer que as boas baladas prometem.
Quarta eu estava assistindo Lugar Incomum no Multishow e o programa era sobre a profissão de palhaço. Coisa muito interessante, já que eu não fazia a menor idéia de que era preciso muito estudo – e sério, pra se tornar palhaço. Eu, particularmente, tenho medo de palhaços, mas achei tudo muito bonito o que os palhaços brasileiros fazem, um trabalho realmente incrível. São palhaços que vão além do óbvio e usam a cultura, a improvisação, a arte, a alma e se dedicam inteiramente à essa profissão que passei a respeitar mais desde então.
Uma frase de um dos grupos que se apresenta aqui em sampa não me sai da cabeça, achei perfeita para essa nova fase da minha vida: “os opostos de distraem e os dispostos se atraem”. Ótima, por sinal.
A propósito, falei tudo isso apenas pra dizer que ontem foi a festa do Multishow. Com direito a comida e bebida free (como sempre), música boa, pessoal do canal (Edgard, Bruno de Luca, etc etc) e muita gente bonita.
Eu tava sentindo um pouco de falta de tudo isso. Mas aqui, tudo vai recomeçar. E que venha logo a próxima.
...soninho...

PS: fica uma dica de um filme que vale muito a pena ver, ainda sobre os palhaços, Doutores da Alegria (admirável)!

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

neogamabbh








Hoje já é o 3º dia e as coisas estão cada vez melhores. Ainda me sinto um pouco estranha e existem aquelas pessoas que passam por você como se você não existisse, nem seu bom dia respondem. Mas tudo bem. Prefiro pensar que esse tipo de gente tem algum distúrbio, eu continuo esbanjando um pouco da boa educação que me foi dada.
Encontrei uma colega da Young e um pessoal da Cásper também. Sei que tem uma pessoa do planejamento que me contratou na Giacometti quando eu acabei indo pra Full Jazz. Isso tudo é muito bom e me faz sentir menos deslocada.
Dos pontos fortes, eu destaco a própria agência como já disse, linda de morrer. Tudo muito clean, moderno e organizado. Adoro minha mesa, super grande e espaçosa. Já estou aos poucos deixando tudo com a minha cara. Gosto também do meu grupo, só tem homem. Mas não por isso, é porque sempre achei mais tranqüilo trabalhar com homem. Mulher tem problema com o ego e auto-estima, é sempre mais complicado. Competição pra tudo, isso cansa.
Gosto do meu novo cargo, a idéia é fantástica. Sinto (pela primeira vez) que vou aprender e crescer muito por aqui. Pela primeira vez também começo a traçar um plano de carreira. O bom daqui é que já comecei trabalhando. Apesar do primeiro dia ser aquele tédio, já pude fazer pequenas coisas e isso me deixa muito feliz. Os dias têm passado muito depressa, cheios de compromissos e novos sonhos. Acho que isso tudo é o mais próximo da perfeição que eu já encontrei.
Já também fui escalada para a viagem de fim de ano, um fim de semana em Angra dos Reis. T- U – D – O de bom, fala sério. É muita coisa boa pra uma pessoa só. No almoço, possibilidades mil de econtrar queridos rubiquenses e isso também é muito bom.
A única queixa minha é a localização. Não tem nada perto, é super escuro e perigoso. Tirando isso, o resto é festa.
Tô adorando.  

terça-feira, 6 de novembro de 2007

someone is there waiting for my song, i´m only looking for someone who sings alone when all my dreams finally reach yours, we will up rise and maybe find the word true love














Que sorte a minha ter te encontrado. Fico muito feliz que isso tenha acontecido e dessa forma estarmos construindo um amor sólido e verdadeiro a cada dia. Sou muito grata por Deus ter me dado um sentimento tão especial numa caixinha de laço vermelho e o melhor é que essa caixinha me foi entregue por você. Quando digo que estou contando os dias pro nosso casamento, não é mentira.
Já vivemos nosso conto de fadas, mas sinto que preciso viver isso todos os dias. Do anoitecer até o nosso acordar. Ter o prazer de ajeitar nossas coisas, não ter hora pra conversar, dormir ou beijar sua boca. Quero ver nossas paredes da cor do nosso amor e encher aquele apartamento pequenininho de tanta felicidade. Vamos nos amando assim. Com toda essa paz e tranqüilidade que você me traz.
Hoje acordei com uma saudade, mesmo tendo de visto ontem à noite. É tão ruim a despedida, então até mais tarde.

* o título do post é um trecho da música do comercial do Mercado Livre, eu simplesmente adoooro, tanto a música quanto o comercial, fofos demais

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

a primeira impressão é a que fica?


Esta é – sem dúvida nenhuma, a agência mais bonita que já trabalhei. Pra ter uma idéia, é um mega galpão totalmente reformado, com várias baias de vidro, espaço amplo, recepção inacreditável com direito a telão projetando os comerciais dos clientes. Na entrada, mais um telão expondo fotos. Coisa muito bonita de se ver. Tudo muito futurístico. Me atrevo a elogiar até o banheiro, com design pra lá de moderno.
As pessoas são como sempre. Ninguém fala com ninguém. Mas até aí, tudo bem. Deus me presenteou com um chefe maravilhoso (até que enfim), que manja muito (eba!!!) e que se preocupa comigo. Não gostei muito dos computadores, na verdade não é bem dos computadores que eu não gostei, mas mais do fato de não poder escolher meu protetor de tela (que era minha inspiração diária). O acesso aqui também não me agrada em nada. Ao lado do CEASA, aqui é bastante escuro e inabitável... (dá medo). Não tem msn, mas fiquei feliz por ter trabalhado de verdade.
No mais, first day sucks!

domingo, 4 de novembro de 2007

é o novo desafio que se aproxima

Minhas “férias” já acabaram e eu realmente não fiz nada de bom. É um saco férias não programadas e fora de época, sem ninguém pra repartir uma lata de leite condensado sequer com você. Mas, de qualquer maneira, valeu. Ficar de pernas pro ar não faz mal a ninguém.
Fiquei o feriado inteiro ansiosa pelo meu novo emprego que começa amanhã. Detesto o 1º dia. É sempre muito esquisito e me sinto sempre uma estranha no ninho. Apesar de essa vez ser um pouco diferente. Conheço meu chefe de outros carnavais e tenho certeza que vou encontrar muita gente da outra agência durante o almoço. Mas mesmo assim, detesto a primeira semana. Isso, é claro, até eu me acostumar.
No mais, talvez eu me ausente por uns dias dessa minha realidade tão gostosa. É o novo dever que me chama. Tenho dragões no estômago. Fazer o que, tenho esse probleminha chamado ansiedade nervosa. Certeza que até o próximo final de semana eu já tô normal. Mas até lá...