quarta-feira, 30 de abril de 2008

tchau abril


Hoje é uma quarta com cara de sexta, véspera de um feriado que promete muito. Amanhã começa um novo mês e coisas novas sempre me dão uma sensação boa de surpresas por vir. Ontem eu me animei bastante, pois consegui achar “o” vestido pro casamento da minha cunhada do qual eu vou ser madrinha. O vestido é maraaaaaaaaaavilhoso, não é de festa, é diferente, moderno, estiloso, azul, estampado, frente única, exatamente do jeito que eu estava sonhando. Tenho certeza que não vai ter ninguém nem sequer parecida comigo no dia da festa. Vou ser única e exclusiva. Só vou perder pra noiva. E o melhor é que quando coloquei no corpo estava perfeito, não precisa de nada. Só o detalhe da barra, afinal, não sou nenhuma ana hickmann. Depois consegui marcar uma visita na chácara onde talvez eu faça meu casamento e me animei mais ainda com as mudanças. Ainda bem que eu tive a idéia de criar um outro blog pra falar sobre meu casamento, senão ninguém ia me aturar.
É, com maio virá muitas decisões importantes e eu sinto que cada vez mais as coisas estão se tornando mais claras e óbvias pra mim. Se deus quiser, tudo vai dar certo.
Bom, por enquanto é isso. Esse feriado promete.

terça-feira, 29 de abril de 2008

vanessinha sabe das coisas










Case-se comigo, antes que amanheça, antes que não pareça tão bom pedido, antes que eu padeça.
Case comigo, quero dizer pra sempre que eu te mereço, que eu me pareço com o seu estilo.
E existe um forte pressentimento dizendo que eu sem você é como você sem mim, antes que amanheça, que seja sem fim. Antes que eu acorde, seja um pouco mais assim. Meu príncipe, meu hóspede, meu homem, meu marido.

É, só eu sei quanto amor eu guardei. Sem saber que era só pra você. É, só tinha de ser com você, havia de ser pra você. O amor que chegou para dar o que ninguém deu pra você. É, você que é feito de azul, me deixa morar nesse azul, me deixa encontrar minha paz, você que é bonito demais, se ao menos pudesse saber que eu sempre fui só de você, você sempre foi só de mim.

segunda-feira, 28 de abril de 2008

semana curta pela frente


Mamis foi fazer tatuagem. É, ela é modernosa. Já tinha feito uma há um tempo atrás e agora fez mais duas. Uma rosa linda no ombro e uma estrelinha na mão que ela disse ser pra mim. Adorei. Semana que vem é a estréia de amore. Tadinho. Mas ele escolheu um desenho super poderoso, depois eu conto tudinho como vai ser. Eu também quero fazer mais algumas, mas ainda tô traumatizada com a última que fiz no pé. Então, vamos ver se crio coragem.
Sábado foi dia de declarar imposto de renda. Essa vida de adulto não tem a menor graça. Primeira vez como contribuinte e não como isenta e ainda não consegui fazer a diaba da declaração. Era tão mais fácil quando eu era isenta... isenta de responsabilidades, isenta de acordar cedo, isenta de trabalho, isenta de preocupações e isenta de conta corrente. É, não é fácil crescer não.
Discutimos as músicas do casamento (pode?). Com mais de um ano pela frente a gente já tá discutindo isso... mas foi legal, já decidimos algumas. Domingo ele me levou pra almoçar num lugar todo especial, ali pertinho do hopi hari. Adorei também. Enfim, foi mais um final de semana normal com cara de especial. E maio tá aí e hoje já é quarta, certo?

sexta-feira, 25 de abril de 2008

eu, por eu mesma













Nascida na capital paulista sob o signo de libra, numa manhã de sábado de um outubro indeciso entre primavera e inverno. Segundo sua mãe, Maria Isabel, mais conhecida por Bel, nasceu peluda feito um macaco, mas que graças a Deus perdeu os pêlos pelo caminho. Por coisas da vida, seus pais se separaram e desde muito cedo foi morar também com os avós maternos.
Quebrou o braço aos dois anos quando tentava escalar o sofá na casa da vizinha no prédio onde era muito famosa e requisitada por ser uma criança-gracinha. Estudou em diferentes escolinhas e se recorda bem de um garoto que a girou no ar pelos cabelos numa tarde de sol.
Ela cresceu sendo a primeira da turma e foi perdendo um pouco daquela graça espontânea e se tornando um pouco introvertida. Adorava brincar de escolinha e por isso aplicava-se na leitura de tudo quanto era livro da avó.
Quando entrou na adolescência descobriu que era muito melhor ser popular do que ser a nerd do colégio. Teve muitos paqueras e gostava de andar de patins. Passado um tempo, aquela garotinha morena, de cabelos escorridos foi se tornando mulher.
Hoje, ela é publicitária e adora escrever sobre qualquer coisa. No momento, planeja o casamento que ainda está distante e sonha com uma vida feliz. O que não é pedir muito, não é mesmo? No mais, a essência daquela mesma garotinha continua intacta. Ainda bem que pessoas como ela não perdem a pureza de acreditar em coisas tão simples como os sonhos, o amor e a felicidade.

quinta-feira, 24 de abril de 2008

lista de 8 desejos


Recebi esse meme do vermelho pitanga e ele tem umas regrinhas que eu vou postar aqui antes de começar a lista dos meus desejos, mas queria avisar [antes de mais nada] que toda regra existe para ser burlada, sendo assim, infringirei as regras 3 e 4 porque alguns dos meus blogueiros favoritos já receberam o meme e já postaram. Dessa maneira, quem gostar e quiser participar, fique a vontade...

Regras:
1º - a pessoa selecionada deve fazer uma lista com 8 coisas que gostaria de fazer antes de morrer.
2º - é necessário que se faça uma postagem relacionando estas 8 coisas, não importando o que seja, é necessário que a pessoa explique as regras do jogo.
3º - ao finalizar devemos convidar 8 parceiros de blogs amigos.
4º - deixar um comentário no blog de quem nos convidou e dos nossos convidados, para que saibam da intimação.

Minha listinha de desejos (que é muito mais vasta que isso...)
1.       entrar numa loja sem olhar o preço das etiquetas e comprar, comprar, comprar;
2.       conhecer alguns lugares como Tailândia, Índia, Egito, Grécia, Itália, Espanha, Argentina, México e Cuba;
3.       uma recauchutada nos seios;
4.       ter uma casa na praia, não qualquer praia e nem qualquer casa;
5.       fundar uma casa de trabalho voluntário;
6.       mandar um chefe idiota tomar no cu com muito prazer;
7.       lavar a alma conseguindo perdoar algumas pessoas das quais guardo alguma mágoa;
8.       prefiro não comentar...

quarta-feira, 23 de abril de 2008

os apuros da paulicéia


Ontem eu fui ao Q! Bazar pela primeira vez e acredito que possa ter sido a última. Cheguei lá super empolgada, afinal o slogan dizia 70% off. Enfim, não encontrei nada barato por lá, muito pelo contrário. Não vi nenhuma vantagem, as roupas e sapatos são todos da coleção passada (primavera/verão) e o que é da nova coleção está com o preço normal, de loja mesmo. Fiquei com muita raiva das roupas baratas, porque elas eram pra bonecas barbie, crianças ou modelos. Coisas que não cobrem nem o bico do meu peito. Mas, ok! Tirando os 5 pra entrar + 5 do estacionamento, não tive nenhum lucro e saí de lá com ódio mortal. Eu me frustro muito fácil quando não consigo comprar. Não que eu seja consumista, mas eu realmente acreditei na mentira dos 70% off. Que de off não teve nada, aliás, eu é que fiquei 15 reais mais pobre, afinal, amore me acompanhou nessa fraude. Pra melhorar meu humor: pizza hut! Pelo menos eu fiquei menos frustrada.  

terça-feira, 22 de abril de 2008

o casamento-aventura


Pra começar narrando a epopéia do casamento, foram mais de 400 km percorridos até São José do Rio Preto. Saímos daqui com o céu azul tinindo e o sol brilhando como nunca até que na metade do caminho, São Pedro resolveu mandar toda a água do mundo cair em nossas cabeças. Chegando lá, fomos muito bem recebidos pelo noivo e pelas famílias que nos acomodaram no “alojas” do casório e foram todos muito solícitos.
O frio vinha sem dó e eu fui a única que levei um edredon e apesar de todos me chamaram de louca, no final ficaram com muita inveja. Fomos almoçar num local próximo da chácara, pois tínhamos poucas horas pra nos arrumarmos pro casório. Comemos num restaurante-posto de estrada e a comida era muito estranha, aliás, parecia aqueles lugares de filme de terror, onde a turma provavelmente é assassinada por algum maluco com uma serra elétrica. Ah, mas o que não mata, engorda, não é mesmo?
Mais tarde deu uma zica na resistência e o chuveiro não esquentava de jeito nenhum. Pra piorar, além do banho gelado, a janela do banheiro não tinha vidro, então o frio foi ainda mais carrasco. Mas, tudo bem, água gelada revigora a pele.
Fomos pro casamento ali mesmo ao lado e pra azar dos noivos, a chuva não parava. A cerimônia foi transferida para dentro do salão, que estava muito bonito. Isso não tirou a beleza e o encanto da festa, o casamento foi maravilhoso. Isso se deve muito ao casal, que é uma simpatia e combina em tudo. Outra pelo clima da festa, repleto de amigos de infância e de sempre e muito, mas muito amor. Diversão não faltou e a festa foi realmente muito boa.
A aventura não acabou aí. Dia seguinte, ainda sem água quente, fomos em 8 num motel da estrada onde a suíte luxo custava 12 (doze) reais. Tudo por um banho quente, né? Foi tudo muito legal, tirando alguns contratempos. Mas, posso dizer que nada estragou o feriado. Nem a chuva e nem a água fria. Nos divertimos muito e ficamos na companhia dos noivos até ontem. E eles estavam muito felizes. Ah, é claro que o sol voltou a brilhar, mas só no domingo. 

sexta-feira, 18 de abril de 2008













- oi, me dá sua mão?
- pra quê?
- pra te ajudar a atravessar a ponte...
- só se você prometer nunca mais soltá-la...
- humm... eu prometo estar ao seu lado sempre, mas haverá momentos em que você vai preferir andar sozinha...

quarta-feira, 16 de abril de 2008

indignação, indigna nação


Eu bem que tentei não falar sobre o assunto, mas de tanto martelarem na minha cabeça acabou se tornando inevitável. O Brasil é um lugar de gente engraçada. Veja só... desde sempre os políticos roubam, roubam, roubam, se matam e nada acontece. Anos depois lá estão todos eles de novo com a maior cara lavada do mundo, posando de bonzinhos e de santos. Maluf, Collor, Zé Genoíno, PC Farias... ah, não, esse morreu... Romeu Tuma que tanto torturou e matou no comando do DOI CODI na ditadura militar... e o povo? O povo só quer saber do futebol e da novela das oito.
A menina rica mata os pais, vai pro motel e chora no enterro. Algum tempo depois ela aparece sorrindo, de cabelos cortados, tomando um sorvete na praia. E ah, sim, ainda consegue ser capa de uma das maiores revistas do país, com um sorriso à la monalisa, como se fosse uma celebridade qualquer. Um outro doente violenta e mata um casal de namorados com requintes de crueldade e tempo depois aparece comendo e vivendo as nossas custas, vendo filmes em uma tv de 50 polegadas sentado num sofá de couro.
O maior traficante de todos os tempos construiu seu império a base do dinheiro de muita gente que morreu cheirando pó ou sendo vítima do tráfico e mesmo assim o povo vai ao leilão do safado e compra até mesmo suas cuecas. A pedofilia toma conta das igrejas católicas e disso todo mundo sabe, até Bento XI sabia e fez o favor de acobertar essa nojeira. Mas, quem se importa? Ninguém imaginava que Nicola Bocasini se tornaria papa um dia e muito menos que mudaria de nome. As pessoas não se ligam em nomes.
Pais jogam suas filhas pela janela como se fossem dejetos e posam de inocentes frente às câmeras. É só ter um pouco de dinheiro e um pouquinho só de educação que não se fica na cadeia. Ainda mais se for filho de juiz. E o povo? Ah, sim, o povo está indignado dessa vez. E de tão indignado que estamos, fizemos desse drama uma novela mexicana. Todo dia tem um capítulo novo na tv e o povo adora. Todos os canais montaram esse circo e agora buscam audiência em cima de algo tão triste. Imagino a dor dessa mãe que não pode nem sequer ligar a televisão. E o youtube está lotado de vídeos com foto da menina, uma coisa terrível.
Eu sei que o caso é repugnante, mas isso não pode justificar esse pardieiro. É preciso respeitar a dor das pessoas. Não querer vencer a guerra do ibope com a desgraça alheia. Há dias que as emissoras repetem a mesma coisa só que com outras palavras. É uma lástima que isso aconteça com o nosso jornalismo. Mas é uma tendência exigida pelo povo, que adora um circo bem montado. Sim, eu também estou bestificada, mas acredito que a polícia e todos os envolvidos vão solucionar o caso. Não me interessa o que o vizinho do porteiro do prédio tem a dizer. Eu só quero saber do resultado e espero que esse seja justo.
Por que o povo não fica em cima da polícia pra prender os políticos quando esses roubam nosso dinheiro? Por que a imprensa não fica em cima deles, todos os dias, todos os minutos, não permitindo que a gente se esqueça? Ah, deve ser porque política não dá ibope...
Como diria um jornalista muito bom: isto é uma vergonha!

segunda-feira, 14 de abril de 2008

resumo dos últimos dias


Eu tenho pouco menos de um mês para defender os blogs como uma nova mídia e gostaria de agradecer a todos que me ajudaram respondendo às questões abaixo. Vocês não imaginam o quanto tudo está sendo muito útil pro meu trabalho. Vou me inscrever e lógico que pretendo ganhar, mas ficaria muito feliz se meu projeto fosse ao menos selecionado, afinal, imagino que devo concorrer com pessoas grandes no assunto. Mais pra frente eu vou contando mais e depois com certeza eu disponibilizarei um link com o projeto pronto pra vocês darem uma olhada.
No mais, queria muito poder decidir onde vou fazer minha festa de casamento, mas meu limite é maio, então ainda vou esperar mais um pouco. A grana tem pesado bastante na decisão, porque eu tenho outras responsabilidades e o apartamento, enfim, várias outras preocupações. Enfim, vamos aguardar mais um pouquinho, maio tá logo aí e essa ansiedade vai passar.
Por falar em casamento, essa semana tem mais um de um amigo do Ri. Vamos ver se eu aprendi a lição e não saio falando mal daquilo que não gostei, afinal, provavelmente [muito provavelmente] os noivos planejaram tudo com muito carinho. Ah, e por falar em casamento ainda, fui convidada para ser madrinha da minha cunhada junto com amore e fiquei muito contente.
E assim a vida vai indo. Os dias passando cada vez mais corridos, eu cada vez mais apaixonada e esperando que algumas poucas coisas se ajeitem. E ah, sim, a praia estava mais do que perfeita. 

sexta-feira, 11 de abril de 2008

abre a porta e a janela e vem ver o sol nascer


Fiquei sabendo que vai rolar uma prainha domingo. Namorar surfista dá nisso, mas apesar do sacrifício de ir à praia de madrugada, espero voltar daquela cor que eu gosto, preta, preta, pretinha. E hoje já vi a previsão, dizem que vai fazer sol. Então, assim espero. Pra entrar no clima, jack johnson e ben harper no ouvido o dia inteiro. E uma surpresinha pra mais tarde. Tá, lingerie é uma coisa muito cara, mas vale a pena. Ainda mais porque não são simples lingeries, são diferentes, estampadas com cores alegres. Eu não gosto de coisa muito comum.
Então é só esperar pelas novidades na segunda. Acho que o finalzinho do verão fora de época será muito bem vindo.
Tô precisando mesmo...

terça-feira, 8 de abril de 2008

pra passar o tempo


Depois da surpresa da década, preciso contar como foi o aniversário do meu chefe. É esquisito chamá-lo de chefe porque o tenho mais como um amigo mesmo. A vaquinha foi bem gordinha e eu consegui comprar um monte de coisas legais. O all star xadrez fez tanto sucesso que ele já queria colocar no pé. Depois foi a vez do baleiro em forma de kombi (é meio longa a história, vou tentar resumir...). O Gui (meu chefe) tem um fusca 66 que é mega legal e agora ele quer comprar uma kombi. Melhor não né? Então... aí eu achei esse baleiro que é a cara dele pra ver se ele se contenta com a miniatura. Dei Memórias de Minhas Putas Tristes e um cd do Pet Shop Boys... mas ele já tinha os dois... saco! Bom, mas aí é só trocar. Ele ficou mega feliz com os presentes e a galera me elegeu como a “compradora oficial dos presentes”. Bom gosto né minha gente...
Mudando completamente de assunto, recebi um meme do se mata (blog muito engraçado sobre coisas trash na internet) e o desafio é postar 5 melhores e piores autores de livros. Bom, eu não costumo ler muitos livros de um mesmo autor, então vou acabar falando de 5 livros preferidos:

* Jean SassonPrincesa – a real história da vida das mulheres árabes por trás de seus negros véus – não preciso dizer sobre o que é a história, mas digo que, além de ser muito bem escrita e de ser muito comovente, é verídica. Inclusive é uma trilogia, mas eu li apenas esse;

* Dan BrownAnjos e Demônios – sim, é o mesmo do Código, mas eu que sou avessa às coisas que estão na moda, até hoje ainda não o li. Mas não há como negar que o cara sabe como escrever uma boa história;

* Luís Fernando VeríssimoAs Mentiras que os Homens Contam – recomendo esta leitura a todas as mulheres, certamente vocês irão encontrar um tipo no livro que conhecem na vida real;

* Fernando Morais Olga – li o livro após ver o filme de mesmo nome, consegui emocionar-me com a leitura muito mais do que com o filme, a história de luta e coragem dessa mulher é uma verdadeira lição de vida;

* Dráuzio Varella – Carandiru – ninguém nunca conseguirá transformar um ambiente tão horroroso em algo com uma certa “magia” como esse médico fez. Acho que nunca mais você conseguirá sentir pena ou compaixão por um bandidão como o Dr. Dráuzio conseguiu fazer mostrando o lado mais humano de cada um daqueles marginais presos no que foi o pior dos pesadelos.

E os piores pra mim são: Bruna Surfistinha (sim, eu li e me pergunto: por que meu deus?) e coisas como Ana Maria Braga tentando falar sobre “o segredo” (não, esse eu não li) ... ninguém merece...

That´s all folks!

.me ajudem a ganhar o prêmio.


Seguinte: vou me inscrever em um prêmio muito importante na minha área e o tema que escolhi para defender é a blogosfera. Na verdade eu vou fazer uma monografia e defender os blogs como um novo canal de mídia. E eu gostaria de um pouco da ajuda de vocês (de novo). Mas é coisa rápida, prometo.
Eu quero saber algumas coisinhas, então se puderem me responder, agradeço. Mais pra frente eu vou informando vocês sobre o trabalho e falo com mais calma sobre o prêmio.

- o que te levou a criar um blog?
- com que freqüência você visita blogs?
- como se sentiria se tivesse alguma marca exposta em seu blog ou em blogs que você visita?
- que marcas você gostaria de ter em seu blog?
- aceitaria hospedar uma marca em seu blog? Por quê?

Só isso. Se puderem responder todas, agradeço de verdade. Essa vai ser a primeira vez que me inscrevo em algum prêmio tão importante assim e estou acreditando bastante que esse é um tema muito interessante, jovem e do qual ninguém vai falar.
Conto com vocês nessa!

segunda-feira, 7 de abril de 2008

a surpresa do final de semana











Depois de muito tempo sem nos falarmos (entenda-se quase 1 mês), minha melhor amiga me ligou na sexta me chamando pra sair. Até aí normal, se não fosse pelo fato de encontrá-la sozinha a nossa espera. Estranho? Muito! Perguntei pelo seu namorado e a resposta foi: “terminamos”. Até aí, normal. Não fosse pelo fato de este ano eles estarem completando 10 (D-E-Z) anos de namoro.
Era a primeira vez em dez anos que ela estava sozinha. Coisa muito esquisita. Mas acima de tudo, ela estava muito feliz. Estava tranqüila, calma, em busca apenas de um pouco de diversão. Confesso que é um pouco estranho vê-la sozinha, já que desde os nossos quinze aninhos, estamos sempre (no mínimo) nós três. Ela, o Kiko e eu. Como já passei por coisa parecida, sei muito bem o que ela está sentindo e pela primeira vez também, acho que é pra valer. É uma pena, sim. Mas se ela está feliz, não há nada melhor.
Fomos na Conspiração do Jogo, no Velhão (na Serra). Recomendo, o lugar é muito bom. Eu é que devo estar ficando velha, queria vir embora logo. Não agüento ter que ficar gritando pra conversar por causa da música alta (eu sei, são os sintomas da velhice chegando).
Meu sábado foi inteiro dela e passamos a tarde fofocando sobre como tudo isso aconteceu e ela ficou feliz por eu entender que não basta amor pra manter uma relação. E eu sei bem disso, aprendi sozinha. Fiquei muito feliz por ficarmos perdidas no tempo de um sábado à tarde, falando de nós mesmas, como aquelas garotinhas de alguns anos atrás. Enfim, foi muita novidade pra um final de semana, mas confesso, foi de muita alegria também.

quinta-feira, 3 de abril de 2008

ser mulher é padecer onde?


Eu não sei o que é sofrer de TPM e quase nunca tenho cólica, mas acho que às vezes vem tudo de uma vez só. Hoje, acordei atrasada e não sabia que roupa usar (coisa muito normal, inclusive), acabei escolhendo uma roupa que parece que vai explodir (não sei se de tão apertada, se eu que tô gorda ou se apenas são efeitos colaterais daquele período "amado" do mês, conhecido por menstruação). Pra ajudar, eu dormi mal pra caramba, preocupada com meu namorado que na noite anterior não me ligou (não, eu não sou psicopata, mas como ele volta da pós que é em São Bernardo de moto, tarde da noite, fiquei preocupada). Aí o tempo não ajudava (eu não sabia se tava com frio ou com calor). E choveu o dia inteiro. Meus dois dedinhos do pé me presentearam com bolhas por causa do sapato mega legal que eu escolhi para hoje e pra piorar me deu uma cólica de rachar boi no meio. Ainda tenho que passar no shopping pra comprar um presente pro meu chefe. Mas como ele é master legal, não me importo de andar com os pés doendo. E o presente será um all star xadrez (a cara dele) e algum livro de garcia márquez.

quarta-feira, 2 de abril de 2008

um pouco cansada


Às vezes, mas só às vezes, tudo cansa. Eu queria mandar algumas pessoas catar coquinho na ladeira, mas infelizmente não posso. Essa semana está cansativa, mas de tão corrida (mais uma vez ele, o tempo) nem vi passar. Amanhã praticamente já é final da semana e vem outro sábado-com-domingo pela frente.
Tem dias que eu só queria levantar da cama pra me deitar no sofá e ver um daqueles ótimos filmes da sessão da tarde (pena que eles não passam mais). Tudo bem, eu também não fico mais no sofá, então tanto faz.
Pelo menos eu posso chegar em casa a hora que quiser e colocar os dvds de anos incríveis, ou goonies ou curtindo a vida adoidado. Mas não sei. Talvez hoje eu esteja mais pra um romance água com açúcar. Deve ser o tempo friozinho. Ou talvez apenas pés gelados querendo uma meia e costas cansadas querendo um encosto.

terça-feira, 1 de abril de 2008

tempo amigo, seja legal

















Terminei o colegial em dois mil. Fiquei um ano sem fazer nada e o outro fazendo cursinho, só nessa brincadeira já se foram mais dois anos. Em dois mil e três entrei na faculdade e a formatura parecia algo tão distante. Na época eu já tinha vinte e um e agora já é o segundo ano depois de formada. Achar um emprego também parecia muito difícil, mas desde dois mil e cinco eu já trabalho na área, então já são três anos trabalhando nisso. Namorei dois anos com um e mais seis anos com outro. Nessa brincadeira lá se vão mais oito anos. Fiquei quatro meses solteira e comecei a namorar de novo e agora já vai pra quase dois anos que vivo um novo amor. Quando comecei a trabalhar com propaganda, fiquei onze meses numa agência e mudei pra outra, em dois mil e seis. Quando completei um ano na outra, mudei de novo. E parece até que foi ontem que eu sai do novo pra vir pra cá, quando na verdade já se passaram cinco meses. Ano passado, em abril, comprei meu apartamento. As obras não tinham nem começado. Hoje, doze meses depois, as paredes da minha casinha já estão erguidas. Desde junho de dois mil e sete, tenho procurado por coisas de casamento. Isso porque vamos casar só daqui dezessete meses. Uns dizem que sou louca, outros não dizem nada não. Dezessete pode ser muito, como também pode ser pouco. Depende de que ângulo você está. Se você quer sair sem ter hora pra voltar, dezessete é pouco. Se você vai ficar preso dezessete anos, então dezessete torna-se infinito. Tudo é muito relativo. Pra mim, queria que dezessete meses passassem como se fossem horas. Mas não posso controlar o tempo. Se tudo continuar acontecendo nessa velocidade, daqui a dezessete anos eu terei quarenta e três. E se como ontem, eu ainda brincava de barbie e hoje já sou mulher feita, posso acordar amanhã e já ser dia doze. Afinal, entre esse meio tempo – barbie/mulher – já se passaram quase vinte e seis anos e eu nem vi. O tempo é mesmo uma coisa muito engraçada. Ás vezes carrasco, às vezes amigo.