sexta-feira, 24 de abril de 2009

it´s funny


Ano passado:
- vai casar quando?
- em setembro
- nossa, mas tá muito longe

Hoje:
- vai casar quando?
- em setembro
- caramba, mas já?

quinta-feira, 23 de abril de 2009

meu avô e o futebol


Meu avô era são-paulino, bem atípico já que ele não esboçava nenhuma emoção durante o jogo, mas não perdia nenhuma partida. A gente nunca sabia se o time dele tava indo bem ou mal, tudo o que ouvíamos eram xingamentos.

E era sempre assim:
- vô, e aí ganhou?
- é, ganho né, fazê o quê... tem que ganhá mesmo...

Ou então:
- e aí vô, perdeu?
- é perdeu, cambada de vagabundo, tem que perdê mesmo...

Era engraçado. Uma vez resolvi dar uma camiseta do seu Tricolor pra ele usar, mas ele disse que não queria porque era muito caro e muito perigoso sair por aí com roupa de time. Tinha medo de levar porrada. Aí resolvi dar um par de meias mesmo. Afinal, quem ia reparar na meia de um velhinho?
Pois é. Mas ele só usava a tal meia pra ficar em casa. Não tinha jeito. O véio era teimoso mesmo. E quando eu vejo o jogo do time dele [mesmo que pra torcer contra] bate aquela saudadezinha boa. 

quinta-feira, 16 de abril de 2009

explicando a falta de


Vou te contar uma coisa: o tempo é nosso pior inimigo.
Veja só, eu mal me deito e quando pego no sono o despertador já toca. É hora de levantar.
Chego na agência e de eternidade em eternidade eu olho pro relógio, mas o ponteiro parece não sair do lugar.
Se estou com pressa, o tempo foge como o diabo da cruz. Se tenho tempo, sobra o ócio.
Vivo pedindo pro tempo passar depressa, mesmo querendo desacelerar em alguns momentos.
Ele nunca me atende e seu passatempo preferido é roubar meus minutos quando não os tenho e me dar créditos quando não preciso.
Esse é o tempo. Carrasco inimigo.

Justamente por falar em tempo que peço desculpas, pois o blog está uma várzea. Mas é que ando sem tempo, acreditem. Muita correria no trabalho e também na vida. Mas aos poucos vou retomando meu ritmo normal por aqui.

terça-feira, 7 de abril de 2009

menino*



Já sonhei nossa roda gigante, esconde-esconde em você
Já avisei todo ser da noite que eu vou cuidar de você
Vou contar histórias dos dias depois de amanhã
Vou guardar tuas cores, tua primeira blusa de lã

Menino vou te guardar comigo

Teu sorriso eu vou deixar na estante para eu ter um dia melhor
Tua água eu vou buscar na fonte, teu passo eu já sei de cor
Sei nosso primeiro abraço, sei nossa primeira dor
Sei tua manhã mais bonita, nossa casinha de cobertor

Menino vou te casar comigo
Menino vou te casar comigo... vou te guardar comigo

Sou teu gesto lindo
Sou teus pés
Sou quem olha você dormindo

Menino guardo você comigo

Nosso canto será o mais bonito, mi-fá-sol-lápis de cor
Nossa pausa será o nosso grito que a natureza mostrou
A gente é tão pequeno, gigante no coração
Quando a noite traz sereno a gente dorme num só colchão

Menino vou te sonhar comigo

Sou teu gesto lindo
Sou teus pés
Sou quem olha você dormindo

Menino guardo você comigo
 *menina – teatro mágico (adaptado por mim pra você)

segunda-feira, 6 de abril de 2009

casa do amor


Sábado foi dia [definitivo] de pegar a chave do apê. Depois de uma longa fila e uma longa espera, saímos de lá com as chaves nas mãos. Subimos direto pro nosso apezinho, que agora me parece mais bonito, mesmo estando exatamente igual.
Domingo foi dia de levar a família pra conhecer nosso ninho e dia também de se encantar pela primeira vez. Até que não era tão ruim como eu imaginava. Acho que o ódio e a perturbação toda que eu passei ao longo desses 18 meses com a construtora, me fizeram pegar um nojinho de tudo aquilo. Mas o apê [em si], assim como o condomínio até que é bem jeitosinho sim.
Já comecei até a sonhar com nossas noites tranqüilas de sono, ou um DVD enquanto dividimos o sofá e talvez um cobertor. Na janta que eu quero preparar, na mesa posta, no banho junto, no abraço na apertada varandinha. Enfim, comecei a olhar o apê com outros olhos, com os olhos do coração. E acho [ou melhor] tenho certeza de que vou ser muito feliz ali.
Hoje já estou contando os dias pra começar a vê-lo tomar forma. Acho mesmo que vai ficar maravilhoso.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

gente esquisita


Sabe, aqui na agência tem um monte de menina mimimi que se veste como se estivesse indo pra um desfile de moda. O duro é que quando abrem a boca, normalmente, não sai nada. É tudo muito vazio.
Eu acho triste.