sexta-feira, 31 de julho de 2009

au revoir juillet


Se aproxima o mês que menos gosto: agosto. Porém, esse ano [e talvez daqui pra frente], agosto tenha um gostinho especial pra mim. Prefiro agora olhar pra ele como o mês que antecede meu casamento.
A partir de amanhã, faltam apenas 43 dias. Parece muito, mas olhando posts que praticamente escrevi outro dia, 43 dias não é nada. E na velocidade com que tudo vem acontecendo, não duvido que num piscar de olhos já foi.
É que agosto, pra mim, sempre foi um mês comprido, acho que dos mais longos. Se for assim, tudo bem, até porque agora tô sem a menor pressa. E se passar voando, tudo bem também porque eu quero mesmo que chegue logo.
É, acho que esse agosto eu vou ter um carinho especial.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

le petit


- o que lê?
- o pequeno príncipe, de Saint Exupèry. Minha mãe me deu, me disse que tem não sei quantas coisas para analisar, que vão mais além do conto... e que tudo tem muitos significados filosóficos e metáforas... e não sei quantas coisas mais, mas eu gosto da história e nada mais. Sem tanta volta. Acontece que para os adultos, às vezes, o essencial é invisível aos olhos.

Adoro! 


quarta-feira, 29 de julho de 2009

sobre namorados maravilhosos













- alô
- oi tudo bem? Tá muito ocupada?
- um pouco...
- não dá pra parar 5 minutinhos pra vir me ver? Tô na portaria...

Além dessa surpresa maravilhosa, tão peculiar do Ri [não é a primeira vez], ele ainda trouxe meu chocolate preferido.
É, meu namorado é realmente um príncipe.

terça-feira, 28 de julho de 2009

sobre namorados idiotas


Meu namorado e eu somos um casal completamente desencanado e muito seguro de si. Confiança é praticamente uma palavra-chave no nosso namoro. Se ele diz que vai em tal lugar, eu acredito e vice-versa. Não temos tempo pra dúvidas, desconfianças e coisas do gênero.
Inclusive, acreditamos [e muito] que precisamos ter uma vida só nossa. Um tempo só pra gente, pra sair com nossos amigos, sozinhos, sem ter que sempre estar um grudado no outro. E não há questionamentos depois, do tipo o que você fez, quem estava lá, demorou e etc. A gente vai, sai e pronto.
Curtir a própria companhia ou a dos amigos não tem preço. E isso é uma parte muito importante da nossa individualidade que não pode se perder só porque se namora ou se casa. Nós temos que ter os “nossos” momentos. E eu tenho muita raiva de quem não sabe viver assim.
Me irrita o tempo que as pessoas perdem discutindo esse tipo de coisa, proibindo ou deixando de fazer. Pra mim, é falta de amor próprio, respeito próprio, liberdade e confiança mútua. Pra mim não rola.
E sexta, como disse, marquei uma noite de meninas. Era pra ser com meninas, certo? Só meninas, não é? Tipo clube da Luluzinha onde macho não entra. Mas, alguns namorados desconfiados trataram logo de armar o maior barraco e quebrar o pau com algumas das meninas. Todos desconfiados que fosse algum esquema ou coisa do tipo. Puta babaquice.
Pra mim isso é pensamento de gente que não se garante ou, pior, de gente que faz tanta sacanagem que não consegue acreditar que o outro diga a verdade. Eu tenho muita raiva disso. Muita mesmo, fico puta. O bom é que minhas amigas [ao menos] têm personalidade e nenhuma deixou de ir ao nosso encontrinho da Luluzinha por conta de um babaca desses.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

coisas boas


Final de semana começou comprido, já na quinta-feira. Noite de entrega de convite para amigos do Ri, regada a pizza, batata frita, conversa boa e muito vinho. Na sexta foi aniversário de amore, mas a noite não seria só dele. Combinei um barzinho com 3 das minhas madrinhas [e amigas de infância].
Foi tudo de bom poder sentar naquele bar e rir daquilo tudo que já passamos nesse vinte-e-tantos-anos de amizade. Rir e muito, eu diria. E também poder falar daquilo que passamos no dia-a-dia e compartilhar dos medos e ansiedades que ainda sentimos. Apesar dos anos, a gente continua meio menina.
Sábado consegui, finalmente, acordar depois do meio-dia. Mas, também, com aquele frio e aquela chuvinha era tudo o que eu precisava. Não deu tempo de fazer muita coisa, logo já era hora de me arrumar pra comemorar aniversário do Ri num barzinho perto de casa.
Apesar do frio e da chuva que insistia em cair, o bar lotou de amigos queridos e Ri ficou radiante de felicidade. Com direito a um parabéns pra você no saxofone, surpresa do sogrão. Foi tudo ótimo, com presenças inesperadas até. Aproveitamos pra entregar mais convites, porque afinal, qualquer motivo é motivo né?
Domingão, fechando com chave mais que de ouro, foi dia de almoço com mais um casal de padrinhos nossos, amigos meus da faculdade. A gente já não se via desde o fim do ano passado, mas o almoço teve um sabor todo especial. Cheio de recordações boas.
Tava tudo tão bom que ficamos lá na cantina a tarde toda, nem esquentei muito de perder o jogo [e olha que isso é muito raro hein]. Mas, não há nada que pague bons momentos ao lado de quem realmente amamos. E finalmente, no finzinho de noite, ainda fomos ao shopping escolher um presente de casamento que a irmã do Ri nos daria.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

ir ao cinema daria um filme


É, ir ao cinema sempre rende uma história. Quarta fui lá no Cine TAM, no shopping Morumbi, pra verificar a campanha do meu cliente que tá rolando e tal. De graça a gente aceita quase tudo né? Chegando lá, escolhemos o filme A Proposta [aliás, ótimo por sinal]. Aí eu pensei quarta-feira, friozinho, comédia romântica, nem vai lotar.
Pois bem, o cinema lá é mega pequeno, muito desconfortável e muito ruim. As cadeiras meio que são planas, não são mais altas do que as da frente, então já viu né? e mesmo não estando lotada, as pessoas escolheram sentar todas juntas, então fazer o quê.
Óbvio que na minha frente sentou um cabeçudo que tampava toda a minha legenda. Sorte eu não depender totalmente dela. Aí a menina que sentou ao meu lado ria feito uma gralha, mega alto. Senti vergonha alheia. Depois ela decidiu brigar com um cara chato atrás dela que ficava falando o tempo todo.
Não adiantou muito porque o cara não parou de falar e nem ela de rir. Ah, tinha um cara também que ficava escarrando toda a hora. Nojo total. Tirando tudo isso, a campanha do cliente não deu muito certo [era uma ação de bluetooth] e a sessão acabou mega tarde.
O filme valeu super a pena. É ótimo e rende boas risadas. Aliás, o que é aquela Sandra Bullock? Linda demais.  

quinta-feira, 23 de julho de 2009

tarde na mtv


Eu tô muito chique: almocei na MTV, conheci o Bento Ribeiro e a Dani Calabresa, visitei os estúdios, o camarim, vi um pedaço da gravação do Furfles com o Adnet bem de pertinho. Um dia ainda mudo de área.

terça-feira, 21 de julho de 2009

som & fúria parte 2


Se você, assim como eu, perdeu o capítulo de sexta, clique aqui pra ver a agência que trabalho. Pena que Rodrigo não trabalha aqui. E, ah, claro que a agência não chama Sapo Martelo.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

som & fúria


Quando Rodrigo Santoro e Fernando Meirelles zanzaram aqui pela agência no final do ano passado, não podia imaginar que o seriado fosse ao ar somente agora, 7 meses depois. E eu nem tô assistindo, mas ontem vi o finalzinho e nas “cenas do próximo capítulo” vi uns pedaços da agência, metade de uma das salas de reunião e tal.
Acho que deve ir ao ar hoje. É, a agência é bonita mesmo, eu gosto. Rodrigo Santoro é lindo, eu gosto também. Então acho que hoje, só hoje, eu vou assistir esse negócio.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

e continua voando


Desde que fui “promovida” [digo assim, entre parênteses porque eu continuo com a mesma função só que numa área em que exige muito mais de mim e com um salário mais alto], não tenho tido tempo pra absolutamente nada. Os dias e as horas passam cada vez mais rápidos e com certeza muitos já notaram que “sumi” dos meus blogs preferidos. Nem tenho dado muita atenção a esse blog. É que, além da agência e do trabalho estarem consumindo horrores de mim, o casamento e todo o seu universo também estão.
A semana passa que eu nem vejo e o fim de semana é todo cheio de compromissos casamentícios. Acho que até depois do casamento eu ainda não vou ter paz. O que é uma pena porque eu tenho estado muito fora da minha rotina.
Por outro lado, estou super feliz com esse novo desafio. Estou crescendo e aprendendo a cada minuto. Graças a Deus que estou mesmo na reta final do casamento ou então acho que não daria conta não.
É, crescer não é fácil e eu não me canso de repetir. Mas prometo [e promessa pra mim é dívida] que ainda coloco minha leitura dos blogs em dia. E tenho dito.  

segunda-feira, 13 de julho de 2009

2 meses












Pra mim não adianta mais feriado prolongado, eu precisava mesmo era ter o poder de parar o tempo. Acho que de tanto eu pedir pro tempo correr, ele resolveu voar. Mas, aproveitei pra resolver várias pendências e detalhes do casamento [pra variar]. Fechei a roupa do Ri [ai como ele ficou lindo!], fechei a roupa da florista, decidi a decoração [muito linda], fechei as músicas da cerimônia [emoção total] e da festa e fechei a lua-de-mel: Maragogi, aí vamos nós!
Começamos a distribuir os convites. Está sendo muito legal e prazeroso, estamos adorando e curtindo todos os momentos. Demos muita risada nesse feriado, acho que estamos nos sentindo mais leves já que as coisas estão caminhando pra reta final.
O tempo é que não está sendo suficiente mesmo...
E a partir de hoje faltam 2 meses! É muito pouco!

terça-feira, 7 de julho de 2009

you´re not alone















Michael Jackson está morto. Hesitei em falar de sua morte, mas a mídia e a família insistem em não enterrá-lo [literalmente] e aí esse é o assunto do mês. Não me considero fã de carteirinha, mas sei reconhecer suas músicas até com uma nota só [as mais famosas] e tenho sim as minhas prediletas.
Eu só não entendo as pessoas vasculhando a vida [e a morte] dele de uma maneira tão deslavada. Não é de hoje que já não sabemos quem realmente era Michael, nem ele mesmo sabia. Se pararmos pra analisar o pouco que sabemos, percebemos que no fundo ele era uma pessoa muito triste.
Uma criança que não teve infância, que era rejeitado, mal tratado e mal amado pelo pai. Cresceu sem se definir como homem, como negro, como pessoa. Mudou de cor, de cabelo, de rosto. Mas, todas as suas entrevistas mantinham a mesma essência. E era fácil ver que lá dentro, por detrás daquela máscara feia que ele inventou pra si mesmo, havia um menino triste e com medo.
Talvez por isso ele tenha criado Neverland e vivido sua fábula favorita. Talvez por isso ele vivesse rodeado de crianças e eu, sinceramente, acredito que todas ele fosse o mais inocente. Afinal, por que pais deixariam seus filhos com um maníaco pedófilo? Arrancar dinheiro seria a resposta. E o pior, ele sempre caía.
Eu acredito em sua inocência, acredito na sua boa vontade e acima de tudo, acredito que ele seja vítima de uma mente doente, produto de uma infância completamente mal cuidada e atormentada. Quem cresceria saudável com um pai demente como o dele?
Deus deu a ele um dom e ele até soube aproveitar como ninguém. Estilo próprio, músicas inesquecíveis que marcaram gerações, passos de dança, timbre de voz e até a beleza lhe foi dada. Michael era um artista mais que completo. Era único. Um rei do pop, como dizem. Aliás, dizem também que os reis são eternos e eu acredito.
Pena ele ter ido assim, tão cedo, tão prematuro. Pra mim, ele era muito menino, muito mesmo. Daqueles que a gente precisa botar no colo e dar muito carinho. Só espero que onde quer que esteja, esteja bem e esteja em paz. Nós aqui perdemos muito com a ida dele. 

segunda-feira, 6 de julho de 2009

adoro!

















Não tem nada mais maravilhoso do que, ao acordar, ver o homem da sua vida sorrir pra você numa manhã de domingo gelada.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

rumo à libertadores no centenário


















Merecido!
Suado!
Disputado!
Prevaleceu a garra, a raça, a confiança, a experiência, a maturidade, a preparação, o trabalho e por que não um pouco de sorte também?

Obrigada Felipe, Chicão, Alessandro, Elias, Cristian, Jorge Henrique, Douglas, Dentinho, André Santos, Ronaldo, William e Mano Menezes!

Vamo, vamo meu Timão, vamo meu Timão, não para de lutar!

quarta-feira, 1 de julho de 2009