terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

glossybox beauty de fevereiro


Como sempre minha glossy beauty chega bem antes da premium e mais uma vez não posso reclamar não. Dessa vez veio um kit da Mary Kay cheio de produtos para as mãos: esfoliante e 2 hidratantes diferentes (e eu adorei a sacolinha). Ainda não experimentei, mas acho que devem ser bons (pelo menos pela descrição dos produtos).
Veio um kit também da TreSemmé, com shampoo e condicionador. Eu tinha certeza que viria, afinal, a campanha está bombando. Eu já tinha experimentando uma amostra que veio numa revista aí, e vou dizer, não percebi efeito de salão nenhum no meu cabelo.
Usei de novo o que veio na glossy e continuo com a mesma opinião: pro meu cabelo, até Seda tem mais efeito de salão do que esse tal de TreSemmé.
E por fim, um desodorante para os pés da Rexona. Ainda não experimentei também, mas gostei bastante da ideia. É desodorante spray, então com esse calor deve ser bem gostosinho né?
E foi isso. Ansiosa pela premium agora. Vamos ver.         


segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

and the oscar goes to...


E já que ontem rolou o Oscar, nada melhor do que algumas dicas de filmes por aqui, certo?













Sexta fomos ao cinema ver Tão Forte, Tão Perto. O filme narra a história de um garoto excepcional, Oskar Schell, que perde o pai no fatídico 11/09. O garoto vai em busca de uma região perdida de Nova York, numa espécie de busca de reconhecimento, como uma das brincadeiras que costumava ter com seu pai.
No meio do caminho, ele precisa tentar lidar com a perda, a saudade, a ausência e a culpa, ao mesmo tempo que tem uma relação muito difícil com a mãe. O filme é sensacional, profundo e claro, muito triste. Mas recomendo, pois é realmente muito, muito bom. Belíssimas atuações, inclusive do garotinho que vive o personagem principal.















E por falar em sexta, quando vinha pro trabalho, sem querer acabei ouvindo Madeleine Peyroux cantando La Vie en Rose, e muito sem querer, consegui pegar o filme Edith Piaf – Um Hino ao Amor acabando de começar no Telecine Cult.
Eu não sabia nada sobre a cantora e só conhecia as músicas mais famosas dela, mas me encantei por sua história de vida e pelo filme também. Não só por ter Paris ou por poder assistir um filme em francês (coisa que tem virado mania logo que comecei as aulas), mas porque o filme é muito bom também. A linda Marion Cottilard está impecável e irreconhecível vivendo Piaf. Super, super recomendo.















Depois também tive a sorte de achar um canal que estivesse passado Encontros e Desencontros legendado. Porque sempre era dublado e aí pra mim fica bem difícil, odeio filme dublado. Mas domingo tive a sorte e consegui assistir a esse filme que há tempos estava na minha listinha.
Mas... não era bem o que eu esperava não. Pra ser muito sincera, até agora não sei se gostei ou não. A única coisa que sei é que esperava mais, queria mais, pra mim o filme acabou como se fosse uma novela, ficou faltando o próximo capítulo. Mas, vale pela locação do filme que mais uma vez me fez colocar Tóquio na listinha de lugares que quero conhecer um dia.















Também sem querer, peguei De Pernas pro Ar começando e resolvi ver. Dá pra dar boas risadas porque acho a Ingrid Guimarães muito boa atriz (de comédia) e a história é bem divertida. Enredo bem construído, dá pra se divertir sim. Filme típico de domingo a noite, sabe? Quando a gente já não tem mais muita opção do que fazer.















E pra fechar a noite, Garotos Perdidos na HBO. Um dos meus filmes de vampiros preferidos (muito antes disso virar modinha por aí). Aliás, os vampiros principais desse filme (Kiefer Sutherland e Jason Patric) deixam qualquer Edward & Cia no chinelo. Acho que eu já vi esse filme umas 312 vezes na sessão da tarde, eu tenho o dvd e sempre, sempre que tá passando eu vejo. AMO!
E foi isso, espero que curtam as dicas.





sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

e assim foi mais um carnaval


Continuando a saga “sobrevivendo ao carnaval”, domingo foi dia de curtir a piscina do prédio. Aliás, tá aí uma coisa que eu vou sentir falta quando for pra nova casa. Bom, mas domingo, após piscina com Ri, dei uma de mestre cuca e inventei um belo menu pro almoço: peito de peru em crosta ao molho de ervas e nhoque ao molho de cream cheese.
Aí depois foi a vez de curtir um filminho na tv: Assalto ao Banco Central. Já fazia um tempinho que eu queria ver esse filme e aproveitamos que estava de bobeira passando no PPV. Bom, tirando o Eriberto Leão, que na minha opinião é péssimo ator, o filme é bem razoável, mas pelo que andei lendo não é fiel aos fatos, ou seja, é meio ficção e meio realidade.














Não era bem o que eu esperava, já que queria mesmo saber o que aconteceu de verdade, antes e depois do assalto. Mas vale pelas atuações de Lima Duarte e Milhem Cortaz, um filminho com alguma ação, porém típico de sessão da tarde.
Na segunda, praticamente foi o dia de ficar de pernas pro ar, só curtindo a podridão da tv. Se bem que eu gosto muito de rever séries antigas, novela velha, chaves, é claro, coisas assim, então não posso reclamar não.
À noite fomos experimentar uma galeteria que tem perto de casa: o Bondbico. Comemos uma deliciosa costela puxada na manteiga com alho poró e mandioquinha chips. Eu que nem sou fã de costela, comi lambendo os beiços.















Na terça fomos dar uma passada nas lojas de construção, fuçar mesmo, sem compromisso. Voltar a ver o preço de algumas coisas que muito em breve vamos ter que começar a comprar pra poder mudar pra nossa casa nova.
Não resisti e acabei comprando coisas que não precisava – pra variar. Mas não deu mesmo, tive que levar essa licoreira azul porque, gente, custava só R$ 9,90... e esse vaso novo pra colocar as nossas rolhas, que já não cabiam mais no vaso antigo. E o preço foi bom também, R$ 22,90. Ambos da C&C.



















E olha só que linda minha garrafa de saquê da Liberdade, show de bola, não?





















Bom, de quebra, quarta fiquei em casa, curtindo a piscina vazia. Só voltei à labuta ontem. Fazer o quê... todo carnaval tem seu fim.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

na liberdade















Sábado fomos pra Liberdade – confesso que nunca tinha ido e adorei! Pretendo voltar e das próximas vezes ir de carro ou de metrô, porque como fomos de moto, deixei de comprar um montão de coisas porque não tinha como levar.
Se você vai de metrô é melhor porque a saída da estação já cai na pracinha onde rola uma feirinha de artesanato super bacana. Tem bolsa, roupa, bijuteria e muita coisa oriental – é claro. Chegamos lá por volta da hora do almoço e o difícil é escolher onde comer, já que opção é o que não falta.
Acabamos topando o Karê-ya Sushi Bar. No andar de baixo funciona a la carte, dia de semana rola um rodízio até que num preço razoável e no andar de cima tem um buffet de comida chinesa e japonesa a vontade. Assim, eu tava com um pouco de medo, mas no fim me rendi e acabei comendo muito, Ri também, do tipo sair rolando. Pra homem acho mais em conta, porque acabou saindo R$ 40 por pessoa, fora o serviço e a bebida.

  












Com a barriga cheia, percorremos a região. Tem muita loja de bugiganga (adoro!), muita coisa de maquiagem e cosméticos em geral, lojas de utensílios domésticos (tipo – quer uma panela de fazer arroz? Lá tem uns 4.987 modelos).
Entrei em tudo quanto era buraco, fucei em tudo, fui parar numa loja de tranqueira dentro de uma galeria que fiquei babando. Queria levar tudo, os papéis de carta, os brinquedinhos, as coisas até que não tinha utilidade, enfim, tudo, mas não levei nada.
Depois fomos na Hime-ya, uma loja que tem absolutamente de TUDO, mais uma vez eu queria levar tudo, as porcelanas, os jogos de chá, as luminárias, os kimonos, os hashis, tudo. Mas com medo de quebrar, acabei levando é nada.

 

Passamos em frente a um mercadinho que dava vontade de comer todas as frutas que ficavam expostas. Entramos pra dar uma olhada das coisinhas de comer e acabamos levando um saquê. Ainda não provei, segundo o tiozinho de lá, recomendou a gente usar numa caipirinha com suco de uva verde. Dica anotada, vamos tentar.

 


Arrastei o Ri pro Audrey Make Up Center e não resisti aos pincéis, acabei levando. Lá tem pra todos os gostos e bolsos (adoro!). E não deixei de passar na Ikesaki, mas confesso que não achei tão vantagem não. Levei uns cílios postiços e uns esmaltes, mas o preço não era nada abaixo do esperado não.



Acabei comprando umas coisinhas numa outra lojinha de bugiganga, mas esqueci de anotar o nome. Levei um penduricalho (que me perdoem os japas, mas eu não sei os nomes das coisas direito) com um Buda que traz saúde e proteção pra minha mãe e um chaveiro com os tradicionais gatinhos (pra minha casa nova), já que traz sorte e sucesso!
Apesar do calor, não consegui tomar o tal do Melona – sorvete de melão que vende por lá. Ah sei lá, o negócio tem uma aparência de chuchu e melão tem gosto de nada né... mas confesso que o que mais me intrigou foi o tal do sorvete Samanco. Meu juro, nojo total. Não é por nada, mas um sorvete que tem um peixe na embalagem já não é legal, aí você vai ler – ou tentar, os ingredientes e descobre que tem feijão!!!! Putz, não dá, passei.



 No mais, a Liberdade é muito bacana. Pretendo voltar com calma pra poder levar tudo o que acabei deixando pra trás. Super recomendo!





sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

lá vem o carnaval


Bem, como acho que sou uma das poucas exceções que detesta carnaval, logo detesta viajar para lugares muvucados (entenda-se praia, interior, etc, etc), mais uma vez vou ficar aqui em São Paulo.
Mas eu não reclamo não, até gosto. A cidade fica mais tranqüila, um pouco mais vazia e dá pra aproveitar algumas coisas.
Então, estamos bolando uma programação alternativa pra curtir esse carnaval e aproveitar pra conhecer algumas partes dessa cidade que eu tanto gosto.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

drops nostalgia #1


Tenho saudades das tardes que assistia o Clodovil desenhando lindos croquis junto com a minha avó.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

por aí


Queria assistir Meia-noite em Paris por indicação de uma amiga que disse que assim que eu visse, iria me sentir em Paris de novo. E vira e mexe eu me pego pensando no mochilão do ano passado e dá um apertozinho no coração. Uma vontade de voltar, uma saudade sem fim, um arrependimento de não ter feito tudo o que podia.
E agora, depois de um tempo, às vezes eu consigo lembrar melhor de cada impressão que eu tive de cada lugar, e como cada uma representou muito e marcou muito minha vida. Como a experiência que vivi ao visitar o Vaticano, me levou a pensar na emoção de pisar no Coliseu. E eu me transporto para dentro do filme Gladiador. Quanta coisa foi vivida ali? E depois de mil anos, eu estive lá. Toquei nas mesmas paredes, vi o mesmo cenário.
E quando estava sobrevoando Londres e pude ver a cidade por entre as nuvens carregadas e um chuvisco grosso, não parava de passar pela minha cabeça: eu tô vendo isso mesmo? eu tô aqui mesmo?



Porque tudo aquilo parecia tão distante da minha realidade, dos meus planos, que eu pensei que só fosse ver tudo aquilo em livros ou filmes. Pisar em Londres foi indescritível.
E me lembro muito bem de uma sensação plena de satisfação e deslumbramento quando o metrô de Paris saiu do túnel e demos de cara com a Torre Eiffel piscando lindamente pra gente. Acho que meu coração até parou por alguns segundos. Era inacreditável estar ali, tão pertinho. E a vista era de deixar os olhos marejados.
Toda hora eu me perguntava: tô sonhando?



Durante as longas viagens de trens, observando os telhadinhos das casas, a arquitetura das cidades, o tipo de vegetação, a cor das flores, os tipos de animais, enfim, olhar pro lado e ver gente de todo o lugar do mundo, sempre me deixava fascinada, do tipo criança quando está começando a enxergar direito o mundo.
E quando eu vi Meia-noite em Paris, me deixei levar novamente pra lá, relembrando cada ponto em que estive, me transportando junto com o protagonista pra lugares onde eu queria estar. E funcionou viu. Funcionou tanto que logo depois de ver o filme, sonhei que estava em Roma de novo.
Misturei as estações é claro, mas era tão, tão real que eu nem queria acordar. E se eu puder dar um conselho pra alguém sobre como investir seu dinheiro, meu conselho seria economize tudo o que puder, mas não deixe de conhecer o mundo.
O mundo é um lugar maravilhoso, cheio de outros lugares incríveis. Viajar é o melhor investimento da vida.




sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

pela força do dragão


O ano de 2012 será regido pelo Dragão do elemento água. Na astrologia chinesa, o Dragão é um signo poderoso que representa a vitalidade, o entusiasmo, o orgulho, a extravagância e os ideais elevados.
O ano do Dragão traz a todos uma dose de energia extra que possibilita as grandes realizações. Será um bom ano para colocar em prática os projetos há muito acalentados, mas para alcançar o sucesso será necessário focar as metas e seguir um bom planejamento. Este ano favorece as mudanças, o movimento, as viagens e a liderança.
A busca pelo autoconhecimento, a família, os estudos e o romantismo serão valorizados. Este será um ano para agirmos com coragem, bom senso, criatividade e determinação. No aspecto negativo, a diplomacia e a conciliação poderão ser colocadas em segundo plano e os desentendimentos virão por conta da arrogância, intolerância e o excesso de autoritarismo.
Bom, pra mim o ano começou agitado, realmente como manda a tal da astrologia chinesa. O Dragão não deixa nada parado, então estou cheia de coisas novas pra acontecer, e uma delas que eu já posso dividir em primeira mão e que me deixou extremamente feliz é que fechei mais um contrato como assessora de casamento.
Estou radiante com a notícia e feliz, feliz com a nova empreitada. Desafios, adoro!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

isso é a vida, já diria bial


Já faz 12 anos que a gente vê big brother e todo ano é a mesma coisa. Gente combinando voto, inventando coisas e achando que tá fazendo a coisa certa. Juro, será mesmo que eles esquecem que tem o mundo vendo? E aí toda vez a mesma coisa, mesmo o cara saindo com 1000% de rejeição, mal acabam de se despedir e já estão lá planejando uma vingança. Impressionante a burrice das pessoas.
E não é de bbb que eu quero falar especificamente, mesmo adorando e não perdendo nenhum dia, mas é porque eu gosto mesmo é de comparar o que acontece lá com o que acontece aqui. Como tem gente falsa, dissimulada e louca no mundo.
Infelizmente a gente não tem uma tv pra assistir tudo a nossa volta e depois torcer pra certas pessoas irem pro paredão pra gente votar até morrer e finalmente ela ser eliminada da nossa vida. Não, não tem.
A gente tem que conviver com esse tipo de gente, louca e burra. Falsa e dissimulada. Gente que inventa coisas, que fala mal de todo mundo pelas costas, que finge ser um amigo, mas que só tá esperando o momento certo de puxar seu tapete.
É, não temos o “público” lá fora que tá vendo e vai julgar. O julgamento aqui demora um pouco mais, às vezes nem acontece, embora eu queira acreditar que até tarda, mas nunca falha.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

presentinhos de beleza


Esse mês chegaram minhas caixinhas da beleza. E muitas amigas minhas tem reclamado muito do conteúdo das caixinhas delas. Eu, por outro lado, estou bastante satisfeita.
Esse mês não foi melhor que a de dezembro, mas vieram coisas que eu curti bastante. Por exemplo: na Beauty veio um spray para os pés da Dr. Scholl´s (em tamanho normal), amostra de protetor solar (tô adorando isso, porque costumo tomar sol todo final de semana e não estou precisando comprar nenhum protetor), um batom de uma marca que eu não conheço (e não lembro), mas que adorei a cor. Um sabonete adstringente em amostrinha (outra coisa que tô amando porque minha pele fica super oleosa no verão), um creme depilatório da Veet (tamanho real)  e foi isso.
Na Premium vieram dois creminhos da L´Occitane (um pra mão e um pros pés), gente só isso já valeu a caixa, alguém tem noção dos preços desses produtos na loja? Veio um óleo de massagem da Weleda (amostra), amostras de mais protetor solar, um pó compacto da Spectraban que eu simplesmente AMEI porque é tudo de bom!!!!!! Tô usando todo santo dia, porque caiu como uma luva na minha pele nesse verão de meu deus.
As meninas aqui da agência reclamam direto, ou porque vem tudo muito pequeno, ou porque vem o que elas não querem, porque tem muita amostra, porque vem muito creme, gente pára tudo! Hoje entrei no site da Glossybox e lá tá escrito bem assim:
“Para receber sua caixa com 4 a 6 AMOSTRAS e MINIATURAS de produtos de beleza todo mês basta registrar-se em nossa página.” Às vezes eles mandam produtos em tamanho natural. Mas não é o que eles prometem, logo, eles entregam exatamente o que prometeram, certo?
Eu acho que o valor é justo, na boa, com R$23 (da beauty) ou R$39 (da premium) eu não conseguiria comprar os produtos que vem na caixa. E a idéia é você receber a amostra, testar e se tiver interesse, comprar, é lógico. Inclusive dá pra comprar pelo site deles.
O intuito da Glossy, no meu entendimento, é apresentar os produtos pra gente, pra podermos conhecer e tal. Não ficar dando um monte de coisa em tamanho real por esse custo, porque vamos combinar, o frete disso sai mais caro que os produtos (que na maioria são AMOSTRAS GRÁTIS).
Uma outra amiga disse que ia reclamar porque nunca vem maquiagem. Meu, é só preencher no perfil o que ela gostaria de receber. Você pode escolher até 3 tipos de produtos, é só ela deixar marcado lá e pronto. Pra mim já veio batom, base, pó, sombra e lápis. Talvez eu tenha sorte, talvez não.
É que eu simplesmente curto muito a surpresa, a expectativa da espera e em geral, tenho experimentado tudo o que vem e gostado de tudo. Mesmo que às vezes venham coisas de menos ou em tamanhos pequenos.
Enfim, eu estou super satisfeita, mas acho que quem não está tem todo o direito de reclamar. Mas só acho que precisamos entender direitinho qual é mesmo o objetivo da Glossy antes de sair fazendo alguma besteira.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

só pra constar


Por falar em publicidade e correria, depois de ter saído da agência às 4h da manhã na sexta e à 1h da manhã de ontem, hoje a sensação é de dever cumprido e satisfação comigo mesma.
Agora é cruzar os dedos para que os projetos aqui saiam do papel e se concretizem, porque só assim a gente consegue outras vitórias pessoais. Eu já estou na torcida.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

foi ontem, mas não tive tempo


Ontem foi dia do publicitário. E publicitária eu sou, por formação. Recebi muitas homenagens, emails fofos falando o quão do caralho é ser publicitário e muitas felicitações e tal. Claro, eu adoro ser publicitária, é fato.
Mas, engana-se quem pensa (como o Ri) que é a melhor profissão do mundo. Não, não é. A melhor profissão do mundo é daquele cara que viaja pelo mundo pra conhecer outros lugares, outras culturas e tem tudo bancado por alguma emissora de tv ou alguma editora importante. Isso sim é o melhor emprego do mundo.
Mas, claro, minha profissão é uma delícia. Eu vivo uma intensa relação de amor e ódio com ela. De verdade. Trabalha-se insanamente, não temos horário fixo. Quer dizer, na verdade a gente precisa chegar no horário, mas nunca temos hora pra sair.
Fato. Acho que dá pra contar em uma mão quantas vezes eu saí no meu horário durante esses 7 anos de carreira. Já perdi aniversários (meus e de pessoas queridas), já perdi compromissos importantes, teatro, shows, enfim, já perdi muitas horas de vida.
Já trabalhei de madrugada, no almoço, de fim de semana. E não, não ganhamos hora extra nem temos banco de horas. Trabalhamos com muita pressão, o dia todo, o dia inteiro. Aturamos muita encheção de saco, muita gente burra e muita gente grossa.
Muitos egos exaltados, muita gente lerda, muitos prazos curtos, muita adrenalina. Eu, como minha mãe, sou mídia. Ou seja, se você vê um comercial na tv, um merchan na novela, um spot na rádio, um outdoor, um anúncio bacana de revista, então, somos nós mídias que colocamos eles ali.
Nós lidamos com a grana dos clientes e com os veículos de comunicação. Ou seja, praticamente a parte mais importante pro bolso da agência. Logo: você precisa ter um coração muito bom pra agüentar os sustos do dia a dia e muito frio pra aturar a pressão.
Já vi gente tendo problemas psicológicos, psicóticos, de saúde por conta da profissão. A maioria dos publicitários que conheço são workaholic. Eu abomino. Já faço demais. Não tenho o email do trabalho no celular, não acesso de casa e dificilmente atendo o celular com ligações de cliente/agência quando estou em casa ou de fim de semana. Eu preciso de um tempo para não ser publicitária.
Claro que tem um lado bom. Paga-se muito bem pra quem é criativo (não é meu caso), mas rola muito dinheiro. Tem muita festa boa, você conhece os famosos (ou ao menos tromba com eles nas festas), você ganha muitos presentes, enfim, tem uma parte que compensa.
É como eu disse, tem dias que eu amo muito o que faço e tem dias que odeio muito. É insano, mas não me vejo fazendo outra coisa assim tão logo. Enfim, ser publicitário é muito louco, muito bom, mas rouba muita energia e tempo da gente.