sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

contaminação boa

As mulheres da agência começaram a beber suco verde.
A comer mais salada.
Todo mundo agora tem uma fruta na mesa.
Biscoitos light.
Cookies integrais.
Barra de cereais.
Iogurtes zero.

Eu só perdi 2,1 kg até agora. E já tô inspirando o povo por aqui.
Orgulho de mim!!!

Isso só me dá mais força pra continuar nesse novo caminho que escolhi pra mim.
Saúde é o que interessa, o resto não tem pressa. Já dizia um velho personagem da TV.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

e foi






















E viva mais um ciclo terminado pra que um novo comece. 
Feliz fevereiro novo!

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

welcome to my life

- nossa, você conhece o fulano?
- ah, sim, conheço! contratei ele uma vez porque ele me fez rir na entrevista inteira...

...
então, é nessas horas que eu penso: talento, dedicação, profissionalismo, pra que mesmo??

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

sobre a dieta e a academia

Hoje, dia 27, completam-se exatamente 22 dias de dieta e 15 dias de academia. A balança, que no começo batia 57,9 kg, bateu 55,9 kg ontem (dia oficial da pesagem da semana). Fiquei feliz porque só quem está se sacrificando como eu pra saber o quanto isso significa e faz valer a pena.
Tô fazendo a dieta 100% direitinho? Não. A parte da janta é bem complicada, chego em casa super tarde, sem pique pra lavar um alface, mas encontrei alternativas de ter uma refeição pouquíssimo calórica. Sexta à noite e os finais de semana são duros de passar.
Dei uma escapadela, comi no japa uma vez, já comi 2 fatias de pizza, 1 pedaço de bolo daqueles bem gordinhos e um Skibon. Tentei compensar na academia e balancear nas outras refeições do dia. Deu certo.
O objetivo dos primeiros 45 dias da dieta é perder 2,2 kg, acho que tô bem pertinho de conseguir. A meta final da dieta são 6,5 kg em 3 meses. Acho que vai dar certo!
A academia tem sido moleza. Eu pensei que fosse odiar, mas estou curtindo. Por enquanto tô no boxe, hidroginástica e aquela esteira básica pros dias de preguiça. Já tô até ficando tristinha que terei que dar um tempo por conta da cirurgia.
A primeira semana foi tensa, não andei direito por 3 dias, mas agora o corpo acostumou, o ritmo engrenou e estou muito feliz com essa nova rotina.
Lógico que não vejo a hora da dieta acabar, mas foi bom pra aprender a me alimentar de uma maneira mais saudável e regrada, sem exageros. Depois é só manter (o que é também muito difícil), mas não impossível. 
Tô muito orgulhosa de mim por ter dado esse passo em prol de mim mesma.
E você, tá fazendo o que por si mesmo??

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

se a vida te der limões, faça a tal da limonada

2013 foi um ano horroroso pra mim. Não tinha grandes expectativas pra 2014, mas comecei o ano bem agitada e, de repente, também cheia de planos.
A academia, que eu costumava odiar, tem se tornado um hábito até que interessante. Não amo, mas também não odeio. E acabo sentindo falta quando não consigo ir. Tenho sim conseguido emagrecer, pouco e aos poucos, mas devagar se vai ao longe, néam? A dieta, pela primeira vez sendo levada a sério, com acompanhamento de nutricionista e tal. Já estou há alguns dias sem refri, sem chocolate, sem fritura...
Cirurgia agendada, já é mês que vem. E não vejo a hora de chegar o verão do ano que vem e poder comprar todos os biquinis do mundo.
Só que a vida não é só isso. E, lógico, no trabalho tinha que dar alguma merda. E vem rolando uns cortes na agência. Em tempos assim, ninguém está a salvo.
E enquanto alguns surtam achando que vão perder o emprego, eu venho vivendo cada dia de uma vez. E incrivelmente passaram a existir muitos puxas-saco, coisa que abomino, então ando sem paciência pra isso. Me irrita demais. Infelizmente isso, às vezes, é levado em consideração. Mas, na boa, prefiro perder o emprego.
Então, sigo assim, como se fosse uma eterna visita ao AA, um dia por vez. Não deixei de fazer meus planos, nem vou deixar. Não deixei de sonhar com algumas possibilidades deste novo ano, enfim, vou tocando o barco, fazendo o melhor do que posso como profissional.
Se o que tenho agora são limões, bora beber essa limonada. Muito melhor do que sofrer por antecipação. Até porque, li por aí que esse ano é o ano do cavalo de madeira no horóscopo chinês. Que, de alguma forma muito resumida, significa que é um ano de colheitas e prosperidade, mas também um ano de muitos acontecimentos turbulentos. 
Coisas turbulentas, às vezes, pode ser bom. É bom dar uma bela chacoalhada em determinados momentos, bom pra acordar, mudar perspectivas, ter novos olhares, tomar novos rumos. 
Já a minha colheita, bom, se o que vovó dizia era verdade, então tenho certeza que vou colher só coisa boa. Então, vou ali espremer um limão, botar um tequinho de açúcar e ser feliz.
É o que me resta.
Vem 2014, vem intenso que te quero muito!

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

agora ficou sério

Consegui um encaixe na cirurgiã plástica de uma amiga. Eu já estava fazendo os exames que o outro médico pediu, até já tinha confirmado com ele a data da cirurgia e tudo. Mas fui lá conhecer a médica, super recomendada e porque eu também queria ouvir uma segunda opinião.
A merda é que eles me deram opiniões diferentes: ele é a favor de colocar uma pequena prótese pra dar sustentação e ela disse que não precisa, não recomenda e que não sustenta, na verdade a prótese só dá volume. 
A cirurgia com ele seria com anestesia geral e internação de 1 dia, já com ela é peridural com sedação e internação de 12 horas. Fora isso, o resto até que foi bem parecido. 
Gostei dos 2 médicos e confesso que andava em dúvida se colocaria a prótese ou não, mas depois de falar com ela, achei melhor não colocar nada. Apenas fazer a redução e dar aquela levantada. 
O valor dela ficou a metade do valor dele. Aí já pesou muito na decisão, afinal, dinheiro não tá fácil pra ninguém, né? Só ficou faltando ela conseguir a data que eu queria, porque na hora a secretária dela disse que não tinha.
Mas hoje ela me ligou com a ótima notícia de que conseguiu remanejar uma outra paciente e me encaixou na data que eu queria. Ou seja, não vou precisar fazer nas minhas férias, vou pagar menos e vou ser muito mais feliz. 
Fiquei muito, muito contente, pela primeira vez na vida vou realizar acho que o sonho mais importante, que esperei tanto, enrolei tanto, tive tanto medo. Não que eu não esteja com medo, estou morrendo, mas decidi encarar e fazer o que eu sempre tive vontade.
Falta pouquinho mais de 1 mês pra cirurgia. Tô radiante!

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

uni duni tê

Perfil A: Chega cedo, trabalha direito, tem alguns amigos, levanta pouco pra pegar um café, sai no horário, mas quando precisa está sempre ajudando. É um pouco calado, mas é muito bom no que faz. Perdeu um cliente por questões burocráticas, fora de sua alçada. Cuida de 4 contas.

Perfil B: Chega pelo menos uma hora atrasado, ai fica de conversa, vai fumar umas 20 vezes até dar a hora do almoço. Sai pra almoçar antes do horário e volta depois, fuma mais um pouco, fica no facebook, fuma de novo, até que antes de todo mundo bota a bolsa no ombro e diz: até amanhã. Perdeu uma conta por incompetência da equipe que gerencia, porém tem bons relacionamentos, organiza as baladinhas da agência e tá sempre indo pro bar beber. Cuida de 3 contas.

Perfil C: Primeira a chegar, última a sair. Virou 90% das noites na agência desde o dia que chegou. Faz o horário de almoço certinho, leva trabalho pra casa, entrega tudo o que é pedido, inclusive trabalho dos outros grupos. Nunca perdeu nenhuma conta, aliás, é o grupo que nunca teve problema. Cuida de 9 contas, nunca precisou da ajuda de ninguém de outro grupo. É um pouco calada, tímida.

Digamos que eu seja o perfil C, ou seja, no corte da semana passada, em que meu diretor optou por cortar o perfil A, eu já tinha ficado chocada pela decisão, mas não mais do que ao descobrir que a dúvida era entre ele e eu, ou seja, os perfis A e C. Juro, cada vez menos eu entendo as decisões das pessoas.
E depois me perguntam por que eu acho tudo um absurdo enorme. Queria ter a resposta.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

nada como um dia após o outro

O ano aqui na agência começou tenso. Perdemos a terceira conta (desde que entrei) e isso só tem 5 meses. E, como sempre, perder conta significa cortar pessoas.
Porque pessoas, na verdade, são números, despesas, gastos. E aí, sem mais, sem menos, tchau. A faca passou bem pertinho de mim, mas talvez meu santo seja forte, talvez não seja minha hora, talvez seja o destino ou talvez todas as milhares de noites mal dormidas tenham rendido uns minutinhos de ponderação na cabeça do meu diretor.
Nem sei como prefiro encarar isso. Mas o fato é que o clima fica bem pesado, todo mundo com medo, sem saber que atitude tomar.
Eu tinha muitos planos pra esse ano, planos que envolvem muito dinheiro. E como eu não nasci rica, não casei com rico e nem sou rica, cada pagamento já está comprometido. Até os que nem vieram ainda. Lógico que estou totalmente insegura, porque não basta fazer meu trabalho bem feito, tem que fazer ceninha, ser amigo de quem importa, essas coisas que eu detesto.
Não quero me desesperar, nem deixar de sonhar e fazer planos, mas confesso que fico bem inquieta com tudo isso. Quero viver um dia de cada vez, me preocupar com um problema por vez e fingir que as coisas vão melhorar e quem sabe eu consiga completar um ano na agência, tirar férias e tal.
Enfim... começamos o ano já com essa bucha... ai Deus, piedade vai!

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

difícil pra cacete

Ontem completaram-se 7 dias que comecei a dieta. Faz uma semana que não tomo refrigerante, não como fritura e nem chocolate. Difícil? Pra cacete! O mais difícil pra mim é a hora da janta, o café da manhã, lanche, almoço e lanche de novo tá até que tranquilo.
Até os sucos detox que eu tenho que fazer (e é um saco) e tomar, estão ok. Fazer um monte de marmita com as refeições que tenho que fazer ao longo do dia, também é um saco. Mas a janta é o pior pra mim. Porque chegar em casa e ter que lavar, temperar salada, cozinhar legume e ainda pensar no acompanhamento, nossa, é um martírio.
Mas, é o que temos pro momento. E se eu tinha perdido 1 kg, ontem o peso oficial foi de 57,3, ou seja, perdi 600 gramas em 1 semana. Vou tentar não ficar me pesando direto pra não ficar frustrada, afinal, na quinta eu tinha perdido 1 kg, ou seja, "engordei".
Me matriculei na academia, como já tinha comentado, mas meu amigo e "personal" fez um outro treino pra mim que inclui aula de boxe na segunda e quarta, power mix + abdômen na terça, hidroginástica de sexta e sábado.
Sábado eu comecei na hidro, foi tranquilo, eu até gosto, mesmo sendo de manhã. Mas a aula de boxe de ontem quase me matou. É muito legal, gostei até, principalmente da parte de socar o saco de areia e tal, só que a maior parte da aula é de exercícios super foda. Resultado: mal consigo andar hoje.
Nem a pau consigo fazer a aula de hoje, mas dá pra encarar algum aeróbico sim. A escapadela que eu dei na dieta até agora foi um pedacinho de pão (bem pequeno, eu juro) com patê de brie com damasco e uns 10 nhoques (juro que não tinha mais que isso), mas massa é proibida, a não ser que seja integral.
Não quero ficar muito neurótica, apesar de achar que já estou, mas é muito, muito difícil fazer tudo isso e não ver resultado. Por isso fico feliz a cada grama perdido. Mas que essa vida não é mole, não é mesmo.
E vamo que vamo, foco.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

só pra não passar em branco

Menos de uma semana da (dura, triste, terrível) dieta, 1 kg se foi (teoricamente né). Mas já deu pra ficar feliz e animada. É duro privar-se de uma das coisas mais deliciosas da vida (comer) e ainda não ver resultado.
Tenho 3 meses para perder 6,5kg, como disse. Esse 1kg pode não parecer nada, mas pra mim pareceu tudo. Comprei uma balança, mas pretendo não ficar tão paranóica com isso.
Só queria deixar registrado aqui pra dar uma olhada no final do ano e ver se isso não foi só uma "loucura de verão", daquelas passageiras, ou se eu vou ter levado mesmo a sério e conquistado meu objetivo.
Ah, segunda começo na academia, com direito a hidroginástica (3 vezes na semana) e os outros 3 dias de musculação com personal. Não dá pra fazer muitas outras coisas por conta da cirurgia, mas isso vai ajudar a acelerar a perda do peso.
E ah, claro, no domingo pretendo descansar e poder dar uma fugidinha da dieta.
Mentira, só posso descansar, mas a dieta... ah, essa tortura eu ainda preciso seguir.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

drops de natal (atrasado)

Eu gosto bastante da época de Natal. Gosto porque em casa, antigamente, tinha um clima muito gostoso. Da preparação da árvore com seu tradicional presépio, era algo que nunca faltava. Depois observar os presentes se acumularem no pé da árvore, roubar alguns enfeites que eram de chocolate (eu comia todos os que ficavam atrás hehe)... O cheiro da cozinha no dia de Natal então, nossa, quanta saudade...

Minha vó fazia um monte de coisas que eu não gostava (quando criança), mas eu amava o cheiro, o clima da cozinha, a preparação das coisas, achava tudo tão lindo e tão família. Minha mãe ajudava e eu gostava mesmo era de enfiar o dedo no molho de tudo pra ver se estava no ponto.

Aí que resolvemos fazer o Natal deste ano no nosso castelinho. A família do Ri (sogra, sogro, 2 cunhadas, 2 cunhados + 2 crianças) e a minha família (minha mamis) foram os convidados. E eu fiz questão de arrumar a casa e preparar a ceia (OMG!). Sim, a ceia.

Eu gosto bastante de cozinhar, então testei algumas receitas que costumo fazer no dia a dia (entendam finais de semana hahaha) e inovar e tentar algumas outras. E não é que deu certo?? Minha comida fez o maior sucesso. E não só a comida, como todo o clima aconchegante que conseguimos dar ao nosso castelinho.

Uns dias antes, cismei que queria uma árvore bem grande, cheia de bolas coloridas e fui atrás disso. Infelizmente percebi que deletei todas as fotos que tirei dela (afe, que burra!), sobrou só uma que nem dá pra ver direito... E improvisei alguns outros enfeites que deram um charme especial (bolas em vasos, pinhas em castiçais, que na verdade eram taças invertidas, porta velas com pote de patê, etc). E uma toalha bem cheia de papai noel.

E o resultado foi esse:
O cardápio ficou por conta da minha batata rosti, mas em formato maior e com recheio novo (cream cheese com bacon), o arroz de forno com camarão e o novato lombo. Adorei a preparação, deixar marinando de um dia pro outro, assar lentamente, depois fazer o molho, e até o Ri que não gosta, comeu rezando.

E de sobremesa, minha amada torta de banana com chocolate (o Ri chora se eu não faço), ganhou uma versão finger food e ficou deliciosa!! E recheei um panetone com bastante doce de leite (eu não curto panetone, mas fez sucesso também).


(dá pra ver a pontinha da nossa árvore lá no fundo da imagem hehe, ficou tão linda!!!) E pra quem sentiu falta do clássico peru, esse minha sogra foi quem ficou responsável, ela também levou uma farofa delícia, pudim e mousse de limão. 

E assim foi um natal-orgástico-alimentar. Mas bem gostoso, com trocas de presentes, conversa jogada fora, enfim, como um Natal tem que ser: delicioso! 


terça-feira, 7 de janeiro de 2014

2014: foco na saúde, no corpo e na mente

De uns tempos pra cá (mais precisamente uns 2 anos), tenho adquirido uns quilinhos que estão cada vez mais difíceis de me livrar. Eu sou a tal da "falsa magra". Tenho perna e braço fino, mas uma gordura localizada na pancinha que agora finalmente deu no saco e esgotou minha tolerância. 
Porque qualquer quilo a mais não se distribui pelas várias partes do corpo, ou ele se concentra todo na barriga ou vai pro peito, coisa que eu já falei aqui, sempre usei sutiã 46, mas agora não está servindo mais. E na boa, 46 é o limite do limite do limite do tolerável. 
Todos esses quase 60 kg em um metro e meio é muita coisa. Enfim, o estopim de tudo foi uma ida minha à Marisa Lingerie, entrar no provador com um biquíni GGG e não caber nem o bico do meu peito nele. Tá, não é de hoje que eu sei que no Brasil só tem roupa pra gente magra, então é óbvio que só tem biquini pra peitos normais ou siliconados. Logo, pra mim sempre foi um martírio. Biquíni pra mim só se for modelo pra idosa ou aqueles que deixam uma marca gigantona. 
Sempre, sempre me lasquei no verão. E eu AMO piscina, praia, sol. Só que aí né, o verão passa e no inverno a gente esconde tudo, e assim vai levando. Empurrando com a barriga. Ou melhor, com a pança.  
Enfim, finalmente tomei vergonha na cara {e também um pouco de coragem} e dei o primeiro passo. Primeiro decidi procurar um cirurgião plástico. Sim, eu MORRO de medo de cirurgia+hospital+cia, mas no meu caso, malhação e dieta não resolvem, então o jeito é mesmo recorrer à cirurgia. Pela primeira vez parei de pegar o contato de algum médico e guardar na gaveta. Marquei, já fui, já marquei os exames e já agendei a data da cirurgia, que aliás, contando de hoje, faltam 51 dias (menos de 2 meses!!!! OMG!!!!).
Confesso que me dá calafrios, mas me agarro a esperança de poder ter os seios que sempre sonhei, pequeninos, que caibam decentemente num biquíni bem colorido, sem alça, que eu possa usar tomara que caia, frente única, me imagino toda feliz no próximo verão, então, vamo que vamo! Xô medo!!
E também fui pela primeira vez à uma nutricionista. Esse negócio de dieta de revista ou da amiga, não tá com nada. Dieta na mão (que comecei ontem), a meta é perder 6,5 kg pra atingir meu peso ideal.
O próximo passo é encontrar alguma atividade física que elimine a massa gorda do meu corpitcho, e com ela toda essa pancinha chata e grudenta. Esse passo ainda está lento, uma vez que tenho a cirurgia logo mais, não vale a pena pagar uma academia, mas vou tentar fazer algo mais leve como uma caminhada, corrida, bike ou patins. Algo por conta própria, digamos assim.
Então esse assunto (dieta+peitos novos+exercícios) estará muito em alta por aqui nesse ano. É a primeira vez que estou fazendo algo de verdade pela minha saúde e pelo meu corpo. Odeio dieta, odeio exercício e morro de medo de cirurgia, ou seja, pra mim está sendo muito, muito difícil, então o blog vai ser minha terapia.
Vou postando semanalmente os progressos (assim espero) dessa minha nova jornada. Acredito que as neuroses com a minha estética irão sumir junto com todos os quilos e outras coisas que serão eliminados. Às vezes, a auto estima pode ser muito poderosa!

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

a última lição do ano

Eu bem pensei que terminaria 2013 sem grandes emoções, mas eis que na noite de Natal, a Paçoca {nossa mais nova integrante da família} começou a passar mal. Ela vomitou muito, mas eu pensei que não fosse nada demais, afinal, ela é muito afoita pra comer, nunca mastiga a ração, então achei que fosse normal, algo que não caiu bem. 
Isso se estendeu por todo o dia, até que na quinta pela manhã, ela amanheceu com diarréia e sangue. Me assustei na hora, já enfiei ela no carro, eu já perdi um cachorro que teve parvovirose, os sintomas são os mesmos, e como ela havia tomado somente a primeira dose da vacina, gelei na hora. 
O resumo de tudo isso é que entre idas e vindas ao veterinário, a Paçoca quase morreu mesmo. Ficou internada, quase teve que fazer uma cirurgia, mas no final, como num passe de mágica ou milagre, ela melhorou.
Suspeitava-se de um objeto estranho obstruindo seu intestino (daí cogitou-se uma cirurgia), depois quando os exames confirmaram que não se tratava disso, podia ser uma virose (e aí a parvovirose voltou a ser uma opção), mas como os exames de sangue não mostravam alteração, logo também descartaram essa hipótese. No fim, parece ter sido apenas uma inflamação intestinal.
Só que pra mim foi muito difícil. A Paçoquinha foi muito boazinha, e eu rezava a todo instante pra que Deus desse mais uma chance pra ela. A resgatamos em outubro, com 45 dias de um "abrigo", ela veio com vermes, com sarna e por isso acabamos demorando pra vaciná-la. Falta um pedacinho da orelha dela, que acredito eu tenha sido uma mordida de rato. Enfim, agora que ela estava a salvo, não era justo Deus levá-la da gente.
Eu perdia o sono e lá ia eu rezar de novo. Eu rezava dormindo, inconsciente. E parece mesmo que Deus tirou com a mão. Ela melhorou muito e mesmo depois de ter emagrecido tanto (ficou uns 3 dias sem comer nada, só no soro), ela já tá recuperando o peso.
A maior alegria é ver ela em casa, dormindo tranquila e brincando com a Malu. Eu consigo ver nos olhinhos dela o quanto ela é agradecida por termos feito tudo o que pudemos por ela. Todos os veterinários se apaixonaram por ela, ela abraçava todo mundo (literalmente).
Já estou morrendo de amores por ela e pela Malu. Em tão pouco tempo que estamos juntas, já conseguiram roubar meu coração. Elas são demais.
Mais um susto - ou lição - que o ano de 2013 me pregou. Nossa, ainda bem que acabou. Espero que todos os sustos e lições (embora eu ainda não tenha aprendido ou entendido todas), tenham ficado no ano que acabou.
Quero um pouco de paz e sossego nesse 2014 que se inicia. Acho que não é pedir demais, né?